sábado, 13 de janeiro de 2018

O Sábio

Não somente é possível atingir esses breves vislumbres do Eu Superior, como também é possível atingir uma consciência estável e duradoura dele. Nenhuma mudança desse estado pode então acontecer. 

O adepto descobre que o seu futuro não é diferente do passado, mas exatamente o mesmo. Este é o sagrado Eterno Agora. Somente através dessa luz duradoura é possível ver como eram misturadas e imperfeitas todas as experiências anteriores e transitórias.


O místico não se importará e poderá não ser capaz de fazê-lo, mas o filósofo tem que aprender a arte de combinar o seu reconhecimento interno do Vazio com a sua atividade externa em meio aos objetos, sem sentir o menor conflito entre ambos. 

Tal arte é reconhecidamente difícil, mas pode ser aprendida com tempo, paciência e compreensão. Assim, ele sentirá internamente a unidade em toda parte deste mundo de variedade maravilhosa, assim como ele experimentará todas as inúmeras mutações da experiência como estando presente no próprio meio dessa unidade. 


Não há rupturas na consciência de sua natureza superior. Não há perda de continuidade na consciência de seu espírito imortal. Portanto, ele não é iluminado em uma hora do dia e não iluminado em outra hora, nem mesmo iluminado enquanto ele está acordado e não iluminado enquanto ele está dormindo.


O sábio não se retira à noite na escuridão, a ignorância do sono comum, mas à luz da Consciência, a sempre ininterrupta Transcendência.


Paul Brunton
O Caminho Breve


sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

...Um bem maior

Apesar de toda a alta conversa idealista de unidade, fraternidade e ausência de ego, cada um de nós ainda é um indivíduo, ainda tem que habitar no seu próprio corpo, usar a sua própria mente e vivenciar os seus próprios sentimentos. Esquecer isto é praticar autoengano. 


Cada um virá à Deus no final, mas ele virá como uma pessoa transformada, purificada e como uma pessoa totalmente mudada, vivida e usada por Deus como ele mesmo viverá e estará consciente da presença de Deus. 


As diferenças entre os seres humanos ainda permanecem após a iluminação. As variações que tornam cada um o exemplar único e individual que ele é ainda continuam a existir. Mas a Unicidade por atrás dos seres humanos contrabalança isso poderosamente. 


Pois para o homem naquela elevada consciência e identificado com esta, o ego é simplesmente um canal aberto através do qual o seu ser poderá fluir para dentro do mundo de tempo e espaço. O ego não é ele mesmo, como o é para o homem não iluminado, mas um adjunto de si mesmo, obedecendo e expressando sua vontade. 


Devolva o ego para o Eu Superior e então o Eu Superior vai usá-lo como ele deve ser usado – em harmonia com as leis cósmicas do ser. Isto significa que o bem-estar de todos os outros em contato com o ego serão considerados como se fossem o bem do próprio ego. 

Paul Brunton
O Caminho Breve


quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Ter Fé

Aquele que sabe e sente o poder divino em seu ser mais íntimo será libertado, no sentido literal da palavra, das ansiedades e preocupações. Aquele que ainda não chegou a esta fase, mas está no caminho em sua direção, pode acercar-se do mesmo desejável resultado pela intensidade da sua fé naquele ser. 

Mas tal pessoa precisa realmente ter fé e não apenas dizer que a tem. A prova de que ele a possui, residiria na medida em que ele se recusa a aceitar pensamentos negativos, pensamentos temerosos e pensamentos desanimadores. 

Na mesma medida em que ele não falhar na sua fé e, portanto, em seu pensamento, nesta mesma medida, o poder superior não o deixará de apoiar na hora de sua necessidade. Foi por isso que Jesus disse a seus discípulos: “ Não vos preocupeis com o dia de amanhã. ” 

No caso do adepto, tendo ele desistido do ego não há ninguém para cuidar dele, então o Eu maior o faz por ele. No caso do crente, embora ele ainda não tenha desistido do ego ele está, entretanto, tentando fazê-lo e a sua confiança inabalável no Eu maior é recompensada proporcionalmente do mesmo modo. Em ambos os casos a expressão bíblica: “ O Senhor proverá ” não é apenas uma esperança piedosa, mas um fato concreto.

Paul Brunton
O Caminho Breve

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

O Caminho Breve

Quem quer que atue de forma a tornar-se tão maleável ao ponto de deixar que o Eu Superior segure na sua vontade pessoal deve necessariamente tornar-se em seu interior desapegado das consequências pessoais de seus atos. 

Isto será verdadeiro quer sejam essas consequências agradáveis ou desagradáveis. Tal desapego liberta-o do poder do karma, que já não pode pegá-lo em sua teia, pois “ ele ” não está lá. Sua consciência emocional que precede uma ação é sempre iluminada e caracterizada por compostura sublime, ao passo que no homem não iluminado pode ser caracterizada por motivações do desejo egocêntrico, ambição, medo, esperança, ganância, paixão, desagrado, ou mesmo ódio – todos os quais são fazedores-de-karma. 

Paul Brunton
O Caminho Breve

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

The Path of Philosophy. Lectures on Paul Brunton in Figueira

Olá!

Faço o convite a que visitem a página de Paul Brunton: 
The Path of Philosophy. Lectures on Paul Brunton in Figueira.
Página de Micha-El (Alan Berkowitz).

O Portal contém partilhas em áudio de Alan sobre a vida e o trabalho de Paul Brunton realizadas na Comunidade Figueira, Carmo da Cachoeira, Brasil, entre Janeiro de 2002 e Março de 2008.

Visitem! É um importante trabalho sobre Paul Brunton. O material está em inglês/português.

Clique na imagem abaixo para acessar:

The Path of Philosophy

http://thepathofphilosophy.org/