sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

...Um bem maior

Apesar de toda a alta conversa idealista de unidade, fraternidade e ausência de ego, cada um de nós ainda é um indivíduo, ainda tem que habitar no seu próprio corpo, usar a sua própria mente e vivenciar os seus próprios sentimentos. Esquecer isto é praticar autoengano. 


Cada um virá à Deus no final, mas ele virá como uma pessoa transformada, purificada e como uma pessoa totalmente mudada, vivida e usada por Deus como ele mesmo viverá e estará consciente da presença de Deus. 


As diferenças entre os seres humanos ainda permanecem após a iluminação. As variações que tornam cada um o exemplar único e individual que ele é ainda continuam a existir. Mas a Unicidade por atrás dos seres humanos contrabalança isso poderosamente. 


Pois para o homem naquela elevada consciência e identificado com esta, o ego é simplesmente um canal aberto através do qual o seu ser poderá fluir para dentro do mundo de tempo e espaço. O ego não é ele mesmo, como o é para o homem não iluminado, mas um adjunto de si mesmo, obedecendo e expressando sua vontade. 


Devolva o ego para o Eu Superior e então o Eu Superior vai usá-lo como ele deve ser usado – em harmonia com as leis cósmicas do ser. Isto significa que o bem-estar de todos os outros em contato com o ego serão considerados como se fossem o bem do próprio ego. 

Paul Brunton
O Caminho Breve


Nenhum comentário:

Postar um comentário