segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Realização filosófica ou final

Sem manter firmemente em perspectiva essa natureza-mental original das coisas e, portanto, sua unidade original com o eu e a Mente, o místico deve, naturalmente, ficar confuso se não iludido por aquilo que ele considera ser a oposição do Espírito com a Matéria. 

O místico olha para dentro, para o eu; o materialista olha para fora, para o mundo. E a uma falta aquilo que o outro encontra. Mas, para o filósofo nenhum deles é fundamental. Ele olha para a Mente da qual tanto o eu como o mundo são apenas manifestações e na qual ele, também, encontra as manifestações. Não é suficiente para ele receber, como o místico recebe, iluminações intermitentes e ocasionais derivadas da meditação periódica. 

Ele relaciona essa compreensão intelectual com a sua descoberta posterior, adquirida durante a autoabsorção mística no Vazio, de que a realidade do seu próprio eu é a Mente. De volta ao mundo mais uma vez ele estuda-o novamente sob essa nova luz, confirma que a multiplicidade do mundo consiste, no final, de imagens mentais, unificando isto com a sua compreensão metafísica integral de que o mundo é simplesmente Mente em manifestação e, portanto, passa a compreender que ele é essencialmente um com a mesma Mente a qual ele experimenta em autoabsorção. 

Assim sendo, seu insight se efetiva e ele vivencia essa Mente-em-si-mesma e não como separada do mundo dos sentidos enquanto que o místico as separa. Com o insight, o sentido de unidade não destrói o sentido de diferença, mas ambos permanecem estranhamente presentes, enquanto que com a percepção mística comum um cancela o outro. 

As inumeráveis formas que compõem a imagem deste mundo não desaparecerão, sendo elas uma característica essencial da realidade, nem mesmo irá a sua consciência delas ou a sua interação com elas ser afetado. Consequentemente, ele possui uma firme e final realização na qual ele irá possuir permanentemente o insight da pura Mente, mesmo em meio às sensações físicas. Ele vê tudo nesse mundo de multiplicidades como sendo a Mente em si mesma, tão facilmente quanto ele pode ver o nada, o Vazio sem imagens, como sendo a própria Mente, sempre que ele se interessa em colocar-se à parte em autoabsorção. 

Ele vê tanto as faces externas de todos os homens quanto as profundezas interiores de seu próprio eu, como sendo a própria Mente. Assim, ele experimenta a unidade de toda a existência; não de forma intermitente, mas a todo momento ele conhece a Mente como realidade última. Esta é a realização filosófica ou final. Ela é tão permanente quanto a do místico é transitória. 

Em tudo o que ele faz ou se abstém de fazer, o que quer que ele experimente ou não experimente, ele desiste de todas as discriminações entre realidade e aparência, entre verdade e ilusão, e deixa seu insight funcionar livremente à medida que os seus pensamentos não selecionam e não se apegam à nada. Ele experimenta o milagre de ser indiferenciado, a maravilha da unidade indiferenciada. 

As fronteiras artificiais criadas pelo homem se derretem. Ele vê os seus semelhantes como inevitável e inerentemente divinos como eles são, não apenas como as criaturas mundanas que eles acreditam ser, de modo que quaisquer vestígios de uma atitude ascética mais-sagrada-que-tu desaparece completamente dele.


Paul Brunton
O Caminho Breve


Nenhum comentário:

Postar um comentário