sábado, 13 de janeiro de 2018

O Sábio

Não somente é possível atingir esses breves vislumbres do Eu Superior, como também é possível atingir uma consciência estável e duradoura dele. Nenhuma mudança desse estado pode então acontecer. 

O adepto descobre que o seu futuro não é diferente do passado, mas exatamente o mesmo. Este é o sagrado Eterno Agora. Somente através dessa luz duradoura é possível ver como eram misturadas e imperfeitas todas as experiências anteriores e transitórias.


O místico não se importará e poderá não ser capaz de fazê-lo, mas o filósofo tem que aprender a arte de combinar o seu reconhecimento interno do Vazio com a sua atividade externa em meio aos objetos, sem sentir o menor conflito entre ambos. 

Tal arte é reconhecidamente difícil, mas pode ser aprendida com tempo, paciência e compreensão. Assim, ele sentirá internamente a unidade em toda parte deste mundo de variedade maravilhosa, assim como ele experimentará todas as inúmeras mutações da experiência como estando presente no próprio meio dessa unidade. 


Não há rupturas na consciência de sua natureza superior. Não há perda de continuidade na consciência de seu espírito imortal. Portanto, ele não é iluminado em uma hora do dia e não iluminado em outra hora, nem mesmo iluminado enquanto ele está acordado e não iluminado enquanto ele está dormindo.


O sábio não se retira à noite na escuridão, a ignorância do sono comum, mas à luz da Consciência, a sempre ininterrupta Transcendência.


Paul Brunton
O Caminho Breve


Nenhum comentário:

Postar um comentário