quarta-feira, 11 de outubro de 2017

A Filosofia, nossa mais brilhante esperança

A filosofia oferece a todos uma experiência suprema maravilhosa e constitui nossa mais brilhante esperança.

Todas as palavras são miseráveis diante desta grande experiência que um dia toda a raça humana conhecerá; e todos os que estudam com sinceridade e perseverança podem conhecê-la desde já.

É portanto um erro crer que a vida exterior, a existência pessoal, as relações sociais do estudante filósofo possam sofrer uma espécie de mutilação ou de diminuição. Elas se enriquecerão e se alargarão, contrariamente às expectativas malsãs, pois, com efeito, o espírito deve fazer descer, neste mundo de espaço e de tempo, um pouco desta grandeza bem-aventurada, deste milagre permanente que percebe no seu mundo transcendental. 

Embora o Real no absoluto e na sua pureza se encontre permanentemente como um Vazio, além do mundo manifesto e relativo, não será menos paradoxalmente a fonte e a inspiração dos valores mais altos que este contém. O estudante acha pois, na filosofia, em função de suas tendências interiores e das circunstâncias exteriores, o que não encontra no ascetismo místico: um poderoso impulso para criar novos valores na arte, na literatura, na civilização e no trabalho, na instrução e na política, bem como na economia e na indústria; em suma, em todos os campos da atividade humana.


Paul Brunton
A Sabedoria do Eu Superior



terça-feira, 10 de outubro de 2017

Atividade característica da Mente-Mundial...

Umas das implicações mais importantes do mentalismo é o poder de concentrar o pensamento de maneira a afetar esta experiência exterior.

O construtor obtém os planos de um arquiteto, mas este obtém as ideias de sua própria imaginação.  

O nosso estudo sobre o nascimento do Universo nos mostrou que a primeira atividade característica da Mente-Mundial é construir imagens. Suas formas criadoras nada mais são que vibrações no interior de sua própria substância mental.

Levamos uma atividade paralela em nosso modo limitado e finito. Quando formamos uma imagem mental ou uma ideia abstrata, elas nascem, uma e a outra, de uma substância-energia intangível e invisível.

Se compreendermos que o drama do mundo se desenvolve apenas na mente, entenderemos também que o karma nos devolve, no fim, nossas próprias imagens e ao mesmo tempo as compensações agradáveis ou penosas que elas comportam.

Se nossa ambiência presente não é outra coisa que nossos antigos pensamentos que nos fazem voltar, não podemos repelir toda a responsabilidade em sua qualidade e forma. É preciso que pensemos com justeza e aprendamos o mais possível. Não são as ideias que atravessam a consciência, de maneira efêmera, o que importa, mas a tendência do pensamento habitual, as ideias que voltam constantemente e recebem um dinamismo poderoso de nossa fé e da nossa vontade. A imaginação intensa torna-se, assim, uma matriz na qual, com os ajustamentos reclamados pelo karma e a evolução, são moldados ao mesmo tempo o meios e os acontecimentos. As imagens mentais e as ideias racionais que retornam com frequência, e durante muito tempo, e com mais força na consciência, podem ajudar a nos elevar à nobreza espiritual e a harmonia neste mundo, ou então podem nos degradar, quando negativas, à baixeza espiritual e à discordância com o mundo.


Paul Brunton
A Sabedoria do Eu Superior



segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Alguns frutos da filosofia



Se o Universo não tivesse saído da essência divina, nenhuma das criaturas que contém poderia verdadeiramente esperar atingir um estado mais divino. Mas, sendo ele, na verdade, a manifestação da Mente Mundial, e as criaturas, sendo da mesma substância sagrada, todas as criaturas vivas hão de sentir, por força, o desejo de iluminação ulterior. Aí está a razão de sua maior esperança, a sua melhor segurança de que poderão encontrar um dia o Eu Superior. Daí a relação íntima com este, que constitui uma garantia suficiente de que podem obter sua ajuda.



Paul Brunton
A Sabedoria do Eu Superior

domingo, 8 de outubro de 2017

O defeito de memória da humanidade...

Milhões de cristãos repetiram a frase: "Que o teu nome seja santificado!" Que significa? Que não devemos formular nenhum pensamento, nenhuma palavra, nenhuma frase que separe Deus de qualquer coisa, que conheçamos ou possamos imaginar, incluindo nós mesmos. 

Devemos procurar sentir a santificação de Deus sem tentar separá-lo do que quer seja ou de quem quer que seja, visto que Deus está finalmente em toda parte e em tudo. Existe um mundo de existência real que a humanidade ainda tem de procurar e amar, tal é a missão não escrita que nos fixou a vida; tal a significação da existência terrestre para todos nós.

É inútil formular ideias tão distantes a respeito de uma realidade semelhante à sombra, numa época de transtornos mundiais sem precedentes, quando a maior parte dos que as leem não sentirão provavelmente sua verdade e, ainda menos provável, não compreenderão esta verdade durante esta encarnação presente? Sim, sem dúvida, porém elas são escritas para o pequeno número que tem necessidade delas e também na crença de que penetrarão profundamente nas mentes conscientes de algumas outras em que soprarão sob as brasas de um passado há muito tempo esquecidas, chamando à atividade camadas de memória enterradas muito abaixo. Finalmente os sofrimentos experimentados hoje em semelhante escala pela humanidade são devidos a um defeito de memória. A humanidade esqueceu realmente o que é, donde vem e para onde vai. Uma das metas deste livro* é ajudar a reencontrar esta memória, porque o que começa como reminiscência terminará como reconhecimento.


Paul Brunton
A Sabedoria do Eu Superior*