sábado, 7 de outubro de 2017

O Vazio original

A Mente-Mundial emergiu da Mente e o universo emergiu da Mente-Mundial. 
De passagem, não atribuamos muita importância à preposição "de", utilizada por falta de um termo melhor. 

O universo nunca está fora da Mente-Mundial, assim como este não se separa nunca da Mente.
Toda palavra, possuindo um sentido espacial, é imprópria. Em seu primeiro aspecto, a Mente-Mundial é não-consciência, enquanto que no segundo, ela é a consciência integral. No primeiro, entrega-se inteiramente a si mesma; no segundo, consagra-se a pensar no que lhe parece como "outro". 

Se podemos considerar a Mente-Mundial como um pensamento da Mente-Essência e o universo como um pensamento da Mente-Mundial, este universo será desde então um pensamento num pensamento!

O Vazio original se torna a Mente-Mundial; não o cria. A Mente-Mundial se torna ao mesmo tempo o mundo e o homem e não os cria. A mente do homem se torna seus pensamentos e não os cria. Assim acaba o círculo da continuidade. Do mesmo modo que é o mesmo elemento que se manifesta em forma de vapor, de água e de gelo, assim é a única e mesma Mente que se manifesta como Mente-Mundial e universo sólido.


Paul Brunton
A Sabedoria do Eu Superior

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Sobre o Vazio

A concepção intelectual do Vazio parece sempre austera demais, no sentido humano. 

Ela se associa (sem razão, é verdade) com a do frio da morte e do silêncio dos cemitérios.

Esta reação provém do materialismo inerente aos sentidos, da incapacidade de olhar além do que se vê, se sente, se gosta, ou se toca. 
Pouca gente pode, no começo, olhar de frente esta concepção do Vazio, sem sentir arrepios. 
É, entretanto, necessário familiarizar-se com ela antes de poder passar ao grau de entendimento seguinte. Seria um erro interpretar o termo Vazio somente no sentido niilista ou negativo.

Embora pareça paradoxal, o Vazio tem um sentido positivo também. Se o Absoluto é de tal forma afastado de tudo o que conhecemos em existência, não podemos, entretanto, classificá-lo de NADA.

Ele existe positivamente, embora não tenha existência individual. Esta noção é inacessível para a inteligência, é só o será a uma alta faculdade de penetração. Porque é a natureza real de todos nós e se alguns tiveram conhecimento dela no passado, eles existiam certamente e o que eles sabiam não era inexistente, pelo que se conclui que devia possuir um gênero de ser. Segundo um texto tibetano de nosso ensino: os homens criaram o tempo a partir do Vazio, e pertenciam, eles próprios, ao Vazio. Os que compreendem isto podem mergulhar profundamente no elemento do Nirvana que transcende à relatividade.


Paul Brunton
A Sabedoria do Eu Superior


quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Uma inspiração para a Busca

Na história espiritual do indivíduo há sempre um momento em que, por exemplo, um luto cruel, uma grave perda, o naufrágio de suas ambições, uma doença física, vem enfraquecer seu gosto pelo mundo e diminuir sua vontade de viver. 


Por um momento se afasta dos prazeres sensuais e deixa planar uma nuvem de tristeza em sua alma.  Esta nuvem passa, naturalmente, mas inspira o desejo de reencontrar satisfações independentes das coisas exteriores e faz começar a pesquisa da realidade interior.



Paul Brunton
A Sabedoria do Eu Superior

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Dissolvendo o mal do mundo

A civilização deve mudar; o melhor é colaborar com o destino para determinar a natureza desta mudança. Manifestamente será necessário sobrepujar obstáculos himalaianos e esta perspectiva desencoraja muitos homens. É muito fácil adotar uma atitude negativa. Mas é pouco provável que um homem tenha êxito ao dar cumprimento a uma tarefa eriçada de dificuldades, se considera apenas estes óbices. 

A filosofia ensina que não se pode julgar bem uma situação ou tarefa senão examinando-a em todos os seus aspectos, brilhantes ou sombrios, e a interpretação correta dos princípios da existência manda que nos fiemos em nossos recursos latentes e não nos abandonemos a uma inércia culposa. Se o quisermos, podemos transformar o teórico em real. O modo de libertar o mundo de seus sofrimentos não é desesperando-se, mas esperando.

A crise da humanidade é pesada em seu destino, mas não é obrigatoriamente fatal. A maior parte do karma vingador que nos conduziu à situação atual já se acha gasta. O que resta dele pode ser modificado pela criação de uma nova corrente kármica contrária que, se se tornar suficientemente poderosa, deslocará a anterior. Se fôssemos mais avisados, mais arrependidos, esta nova corrente poderia tornar inoperantes algumas das forças em ação (não todas).


Paul Brunton
A Sabedoria do Eu Superior

terça-feira, 3 de outubro de 2017

O Eu Superior no coração...

Por existir em cada homem o Eu Superior, a graça existe em estado potencial. Quando nele desperta, dá-lhe imediatamente a consciência de mudança enorme no sentido em que opera; trata-se da mutação moral, física, sentimental ou material. Esta potência é tal que pode frequentemente destruir seu equilíbrio no domínio sentimental ou intelectual.

O Eu Superior não está muito longe, além do coração. Se se julga de outra maneira, é uma ilusão, da qual devemos libertar-nos para a busca metafísica ou a prática mística. A afirmação de que Deus reside no coração do homem não é somente de caráter poético, mas de caráter científico. E, portanto, o nascimento da graça é primeiro sentido no coração, não na cabeça, porque o coração é o mais íntimo habitat no corpo humano.

Ela se manifesta de dois modos: primeiramente, por um sentimento que faz considerar a vida exterior como insuficiente por si mesma; em segundo lugar, por um desejo ardente da realidade interior. O nascimento começa por uma chamada da atenção sobre o peito. A força interior age por uma força centrípeta que desvia a atenção do exterior e da ambiência física. Se o paciente obedece a essa solicitação e a concentra cada vez mais, no sentido interior, achará sua recompensa. Começa a sentir que existe nele alguma coisa oculta de que deve, conscientemente, tomar posse, sob pena de experimentar todas as dores da frustração e da privação. A noção do que pode ser essa "alguma coisa" não é nítida na sua mente, mas tem a intuição de que se trata de um elemento sagrado da alma divina. 

Paul Brunton
A Sabedoria do Eu Superior

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Milagre da Graça

O karma sombrio do pecado e da dor com que nos vestimos na maioria, é muito pesado para que o levemos a sós.

Infelizmente, somos criaturas fracas, ignorantes ainda, de humor cambiante, fáceis de desencorajar. É preciso aceitar o fato; ainda somos assim. Somos incapazes de apagar nossas dúvidas intelectuais, de sobrepujar nossas tentações morais ou de resolver dificuldades práticas. 

Não podemos ser impelidos por asas angelicais, da noite para o dia. É preciso ainda que lutemos, a princípio contra nossos vícios, bem conhecidos e em seguida, contra o que pensamos, algum tempo, que fosse virtude. 

Este conflito é inevitável porque a pessoa não abandona facilmente sua empresa. Não temos, pois, necessidade de apoio até o dia em que nos sentirmos bastante fortes para nos levantarmos e conduzirmos nosso fardo. A ajuda nos é necessária. É preciso que alguma coisa maior que nosso eu ordinário intervenha a nosso favor, no complexo jogo da vida.

Isto é verdadeiro para a maioria dos seres humanos.  Mas aqueles dentre nós que começaram a se inquietar na busca do Eu Superior e desejam, ardentemente, alargar sua experiência, têm mais ensejos de melancolia.  É difícil. Muitos dentre nós não são bastante fortes para se disciplinar; a herança kármica pesa-lhes sobre tal modo nas costas, que lhes abafa o anseio de melhorar o caráter.  Ora, a ajuda e a necessidade de simpatia são condições humanas. Nós nos arriscamos a não obter satisfações maiores e plenas, dependendo unicamente de nós mesmos. 

Por outro lado, nossa inteligência é, às vezes, muito pobre para atinar com as verdades metafísicas, quase sempre sutis, em torno das quais se efetua a maior parte de nossas pesquisas.  Por todas essas razões, há lugar na vida, ao lado de nossos esforços, para um esforço divino no sentido do favor, da graça. Se a empresa de obter a capacidade de penetração deve ser iniciada pelo homem, ele não poderá a sós conduzi-la a bom termo. Acontece que um dia, em desespero de causa, lançará um apelo de auxílio ao seu Eu Superior. E esta ajuda se manifestará sob a forma da Graça, se a merecer. 

Paul Brunton
A Sabedoria do Eu Superior

domingo, 1 de outubro de 2017

Tenha compaixão para com os animais!


" Os homens suplicam ao Senhor, com preces lamentosas, por ajuda compassiva ou perdão benevolente e no entanto, nem por um momento pensam neles próprios terem misericórdia para com as criaturas inocentes que são criadas e abatidas para seu proveito.


Quanto mais perto se está da alma das coisas, mais em harmonia se fica com a Natureza. E se, se é verdadeiro com seus instintos, se comerá mais e mais alimentos que apenas a Natureza produz. "



Paul Brunton
O Corpo como um Templo