sábado, 17 de junho de 2017



Há uma perfeita relação entre a impressão que causamos nos outros e o domínio que adquirimos sobre nós mesmos. A intensidade dessa impressão depende do grau desse domínio. Além disso, nosso poder sobre o mundo exterior será proporcional ao poder que adquirimos sobre nossa própria natureza.


Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Ambas são necessárias

Para conseguir essa força e obter essa sabedoria, você deve, paradoxalmente, seguir dois caminhos opostos. Primeiro, deve, todos os dias, afastar-se completamente de suas atividades e observá-las de forma analítica e impessoal. Depois, deve mergulhar nessas atividades e utilizá-las como trampolim para alcançar níveis mais elevados. Por isso se diz que nem a meditação, nem a ação são suficientes. Ambas são necessárias a você e uma não dispensa a outra. A meditação inspira e aspira. A ação expressa e testa.




Aquele que possui o poder, mesmo que reduzido, de ajudar os outros não pode imaginar onde essa ajuda irá parar. Se ela trouxer algum benefício para alguém que você conhece, essa pessoa poderá, por sua vez, ajudar outra e assim por diante, em ondas que se propagam continuamente.


Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise

quinta-feira, 15 de junho de 2017

A ilusão da separatividade

O mal surge apenas quando um ser perde-se na ilusão da separatividade e do materialismo e entra, então, em conflito com outros. 

Não há um princípio definitivo e eterno do mal, mas existem forças do mal, entidades invisíveis que se extraviaram e que são tão poderosas em si mesmas que trabalham contra a bondade, a verdade e a justiça. Porém, por sua própria natureza, tais entidades estão fadadas à destruição; e mesmo seu trabalho de oposição, no final, é utilizado para o bem, tornando-se a força de resistência contra a qual a evolução testa suas próprias obras, a pedra na qual ela afia nossa inteligência, o espelho no qual ela aponta nossas falhas.


Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Seja tolerante!

Ser tolerante para com os que têm crenças e opiniões diferentes — o suficiente para entender quais são e o porquê delas — exige a capacidade de desapegar-se temporariamente das próprias crenças. 

Naturalmente, isso não deve, de maneira nenhuma, ser feito rejeitando-as, mas apenas deixando-as onde estão, enquanto você se põe no lugar do outro a fim de entender seu ponto de vista. 

Tal capacidade não pode ser adquirida sem suficiente humildade e ausência de egoísmo, tornando assim possível que se acolha, mesmo que por um único segundo, um ponto de vista que nos desagrada.

Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise

terça-feira, 13 de junho de 2017

Porque o sofrimento...

Calmamente reconheça que o sofrimento tem sua parte na tarefa de manifestar o plano divino, que as pessoas têm lições a aprender por meio dele que de outra forma não aprenderiam, e que esse sofrimento deveria, em tais casos, ser recebido com compreensão em vez de sentimentalismo neurótico. 

Encare o fato de que muitas pessoas não aprenderão por meio da razão, intuição ou ensinamento e que ninguém pode libertá-las de seus sofrimentos a não ser elas mesmas. Qualquer outro tipo de libertação é falso. Muitos podem conseguir isso hoje e ver a mesma condição retornar amanhã. 

Em certas situações que exigem decisões firmes, você não deveria, por exemplo, demonstrar injustificável fraqueza acreditando estar sendo tolerante, nem submeter-se ao egoísmo anti-social supondo estar sendo amoroso, nem abandonar suas maiores responsabilidades sob pretexto de manter uma paz falsa e superficial com a ignorância que o cerca, nem passivamente aceitar um erro flagrante com a justificativa de que a vontade de Deus deve sempre ser aceita.

Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Aagarre-se à fé na real existência do Eu Superior!

Por mais difíceis que possam ser as circunstâncias de sua vida material, agarre-se à fé na real existência do Eu Superior, e acredite que se você buscar Sua orientação, Ele o conduzirá à mais sábia solução para seu problema. 

Isso nem sempre, e não necessariamente, significa que você deva interromper seus esforços pessoais. Pelo contrário, você deveria usar o máximo de seu raciocínio e julgamento e também consultar outros com mais experiência ou habilidade que você. Mas, depois de fazer o que estiver ao seu alcance, deveria entregar seu problema ao Eu Superior. 

Você deve provar que realmente o entregou, livrando-se da ansiedade no que diz respeito ao resultado. Deve ter confiança de que o poder mais alto, que está sempre com você, pode suprir suas necessidades. Deve também ser bastante paciente para esperar e corajoso para aceitar uma solução que contrarie seu egoísmo. Então, uma ajuda externa, ou uma orientação interna ou ainda uma resposta para o seu problema surgirá.


Paul Brunton 
Meditações Para Pessoas Em Crise

domingo, 11 de junho de 2017

O sábio

O homem sábio tem consciência de que o sofrimento tem sido essencial para seu desenvolvimento e o tem ajudado a aprender certas lições. Portanto, quando outros passam pela mesma experiência, ele não se preocupa tanto em afastar deles o sofrimento, mas sim em possibilitar que dele extraiam a lição necessária. 

Seria ilógico aplicar esse conhecimento ao próprio caso, e não utiliza-lo quando se trata de outras pessoas. Se o sentimentalista diz que, por ter pena dos outros, não deseja que sofram, essa é uma razão a mais para desejar que não sofram cegamente.

Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Que Decidem

Mesmo os problemas podem tornar-se instrumentos de auto-aprendizado e algum tipo de benefício é obtido com a experiência. Isso, contudo, só poderá acontecer, mais fácil e rapidamente, se a decisão de aprender e uma correspondente entrega do ser estiverem presentes. É então que o assim chamado mal é transformado no assim chamado bem.



Por vezes, o karma nos impõe provas e sofrimentos nada agradáveis de suportar. Não obstante, eles têm algo a nos ensinar — mesmo que seja a velha lição de precisarmos encontrar uma vida interior mais satisfatória para compensar a transitoriedade e as vicissitudes da vida externa. Não podemos evitar essas provas enquanto vivermos sobre a Terra, porém podemos ter a esperança de compreendê-las e, eventualmente, até dominar as reações mentais a elas. Então, encontraremos paz e sabedoria.


Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Que Decidem