segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Milagre da Graça

O karma sombrio do pecado e da dor com que nos vestimos na maioria, é muito pesado para que o levemos a sós.

Infelizmente, somos criaturas fracas, ignorantes ainda, de humor cambiante, fáceis de desencorajar. É preciso aceitar o fato; ainda somos assim. Somos incapazes de apagar nossas dúvidas intelectuais, de sobrepujar nossas tentações morais ou de resolver dificuldades práticas. 

Não podemos ser impelidos por asas angelicais, da noite para o dia. É preciso ainda que lutemos, a princípio contra nossos vícios, bem conhecidos e em seguida, contra o que pensamos, algum tempo, que fosse virtude. 

Este conflito é inevitável porque a pessoa não abandona facilmente sua empresa. Não temos, pois, necessidade de apoio até o dia em que nos sentirmos bastante fortes para nos levantarmos e conduzirmos nosso fardo. A ajuda nos é necessária. É preciso que alguma coisa maior que nosso eu ordinário intervenha a nosso favor, no complexo jogo da vida.

Isto é verdadeiro para a maioria dos seres humanos.  Mas aqueles dentre nós que começaram a se inquietar na busca do Eu Superior e desejam, ardentemente, alargar sua experiência, têm mais ensejos de melancolia.  É difícil. Muitos dentre nós não são bastante fortes para se disciplinar; a herança kármica pesa-lhes sobre tal modo nas costas, que lhes abafa o anseio de melhorar o caráter.  Ora, a ajuda e a necessidade de simpatia são condições humanas. Nós nos arriscamos a não obter satisfações maiores e plenas, dependendo unicamente de nós mesmos. 

Por outro lado, nossa inteligência é, às vezes, muito pobre para atinar com as verdades metafísicas, quase sempre sutis, em torno das quais se efetua a maior parte de nossas pesquisas.  Por todas essas razões, há lugar na vida, ao lado de nossos esforços, para um esforço divino no sentido do favor, da graça. Se a empresa de obter a capacidade de penetração deve ser iniciada pelo homem, ele não poderá a sós conduzi-la a bom termo. Acontece que um dia, em desespero de causa, lançará um apelo de auxílio ao seu Eu Superior. E esta ajuda se manifestará sob a forma da Graça, se a merecer. 

Paul Brunton
A Sabedoria do Eu Superior

Nenhum comentário:

Postar um comentário