quarta-feira, 26 de abril de 2017

Apoiar-se num guia ou ser carregado por ele é um modo de agir que por si mesmo nunca leva à meta. Pode, no máximo, levar ao modo de agir superior daquele que de joelhos se esforça muitas e muitas vezes, até ser forte o bastante para finalmente caminhar até a meta. 

O mestre não deve ficar no caminho, não deve chamar a atenção para si sem motivo, prejudicando a atração que o indivíduo que busca tem pelo próprio eu central interior.

Soren Kierkegaard escreve em Concluding Unscientific Postscript: "É impensável uma relação direta — que diga respeito à verdade essencial — entre dois seres espirituais. Supondo-se que haja uma relação dessas, isso significa que uma das partes deixou de ser espírito. Isso é algo que muito gênio deixa de considerar, seja quando ajuda as pessoas a chegarem à verdade em massa, seja quando é benevolente o bastante para pensar que aclamação, disposição para ouvir, filiações e coisas assim são iguais à aceitação da verdade. Tão importante quanto a verdade, e até mais importante, se é para se enfatizar uma das duas, é a maneira pela qual a verdade é aceita. De pouco serviria alguém persuadir milhões de homens a aceitarem a verdade se fossem levados ao erro precisamente pela maneira de aceitá-la. Por isso, toda a benevolência, persuasão, barganhas, toda a atração direta exercida por intermédio de sua própria pessoa, toda a referência ao seu próprio sofrimento pela causa, o seu lamento pela humanidade, o seu entusiasmo — tudo isso é mero equívoco, uma nota falsa em relação à verdade, pela qual, em proporção à própria habilidade, pode-se ajudar uma multidão de seres humanos a obterem uma ilusão de verdade. Sócrates era um instrutor ético, mas ele compreendeu a não-existência de qualquer relação direta entre instrutor e discípulo, porque a verdade é interior e porque essa interioridade em cada um é precisamente o caminho que os leva para longe dos outros. Foi, supostamente, por ter compreendido isso, que gostava tanto de sua aparência exterior desfavorável. "


Paul Brunton
A Busca


Nenhum comentário:

Postar um comentário