sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Beleza interior

Nas épocas tribais primitivas era costume, em muitos lugares, medir o conhecimento pelo comprimento da barba. Atualmente, muitos de nossos mais brilhantes especialistas em energia atômica são comparativamente jovens e certamente sem barba! Medir a virtude pela beleza do rosto é tão sensato quanto seguir, hoje em dia, o costume primitivo.

Mas não é uma atitude incomum, entre os que supostamente buscam a verdade, seguir um instrutor espiritual porque seu rosto os agrada e rejeitar outro porque sua aparência física os desagrada! Soren Kierkegaard diz em Concluding Unscientific Postscript: "Ele (Sócrates) era muito feio, tinha pés grosseiros e, além de tudo, muitos calombos na testa e em outras partes do corpo, o que bastaria para persuadir a qualquer um de que era um ser desmoralizado. Era isso que Sócrates considerava uma aparência favorável, e estava tão satisfeito com ela que veria como uma tramoia da divindade impedirem-no de tornar-se um instrutor de moral, tivesse ele recebido a aparência atraente de um efeminado tocador de cítara, o olhar meloso de um jovem pastor, os pés delicados de um mestre de dança da Sociedade de Amigos e, in toto, uma aparência favorável, desejada por alguém que procura emprego por meio de anúncios de jornal ou de um teólogo que depositou suas esperanças numa entrevista.

Por que estaria esse velho mestre tão satisfeito com sua aparência desfavorável, se não por compreender que ela o ajudava a manter o aprendiz a distância, evitando que se lançasse num relacionamento direto com o instrutor, que o admirasse e começasse a usar roupas iguais às dele? Pelo efeito repulsivo exercido pelo contraste, que num plano mais alto era também o papel desempenhado por sua ironia, o aprendiz seria obrigado a compreender que estava essencialmente ligado a ele, e que a interioridade da verdade não é a interioridade amistosa com que dois amigos do peito caminham de braços dados, mas a separação com a qual cada um por si existe na verdade.


Paul Brunton
A Busca




Nenhum comentário:

Postar um comentário