segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Um Caminho puro rumo ao infinito

A confusão de dogmas religiosos e a interpretação errônea das experiências pessoais produziram a contraditória massa de doutrinas que, no conjunto, são chamadas de "místicas".

À inabilidade para adotar uma atitude estritamente científica para com essa matéria, se deve à ofuscação do primeiro objetivo da meditação. Idealizaram-se várias "sendas" para lograr este objetivo, porém uma multidão de mentalidades tacanhas tomou equivocadamente a senda pela meta.

Meditação, Ioga, Misticismo, etc, têm apenas um propósito fundamental, não obstante o que possam dizer os expoentes sectários ou os aderentes equivocados.  Esse propósito visa como que pôr em curto circuito as diversas correntes pensantes, de sorte que se possa perceber a realidade que o pensamento obscurece.

Em outras palavras, práticas religiosas avançadas, métodos de meditação, culto extático de santos, etc, são todos meios de auxiliar o homem a atenuar a corrente de pensamentos, até finalmente fazê-la parar por completo. As mentalidades sectárias se oporão, sem dúvida, a isto, mas sua negação corresponde simplesmente a uma negação dos verdadeiros fatos.

Só as almas maduras e perspicazes podem perceber esta verdade. Tão-só estas, pelo esclarecimento de sua compreensão sobre este assunto, podem escapar do nevoeiro espiritual em que a maioria dos estudantes e devotos se movem habitualmente. Tão-só estas sabem que a senda religiosa que o indivíduo siga tem menos a ver com o seu atingimento, do que o método mecânico de controle da mente que ele inconscientemente pratica.  Tão-só estas sabem que a ausência de qualquer credo em alguém não o torna menos suscetível de êxito do que o seu mais religioso irmão.


Paul Brunton
O Caminho Secreto


Nenhum comentário:

Postar um comentário