segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Um Caminho puro rumo ao infinito

A confusão de dogmas religiosos e a interpretação errônea das experiências pessoais produziram a contraditória massa de doutrinas que, no conjunto, são chamadas de "místicas".

À inabilidade para adotar uma atitude estritamente científica para com essa matéria, se deve à ofuscação do primeiro objetivo da meditação. Idealizaram-se várias "sendas" para lograr este objetivo, porém uma multidão de mentalidades tacanhas tomou equivocadamente a senda pela meta.

Meditação, Ioga, Misticismo, etc, têm apenas um propósito fundamental, não obstante o que possam dizer os expoentes sectários ou os aderentes equivocados.  Esse propósito visa como que pôr em curto circuito as diversas correntes pensantes, de sorte que se possa perceber a realidade que o pensamento obscurece.

Em outras palavras, práticas religiosas avançadas, métodos de meditação, culto extático de santos, etc, são todos meios de auxiliar o homem a atenuar a corrente de pensamentos, até finalmente fazê-la parar por completo. As mentalidades sectárias se oporão, sem dúvida, a isto, mas sua negação corresponde simplesmente a uma negação dos verdadeiros fatos.

Só as almas maduras e perspicazes podem perceber esta verdade. Tão-só estas, pelo esclarecimento de sua compreensão sobre este assunto, podem escapar do nevoeiro espiritual em que a maioria dos estudantes e devotos se movem habitualmente. Tão-só estas sabem que a senda religiosa que o indivíduo siga tem menos a ver com o seu atingimento, do que o método mecânico de controle da mente que ele inconscientemente pratica.  Tão-só estas sabem que a ausência de qualquer credo em alguém não o torna menos suscetível de êxito do que o seu mais religioso irmão.


Paul Brunton
O Caminho Secreto


O Karma das Nações

Se quisermos entender o que vem acontecendo no mundo, precisamos primeiro entender que o karma das nações e dos continentes é a causa oculta do sofrimento do planeta.

Uma nação surge da soma de todos os indivíduos que nela habitam. Você é uma das pessoas cujo pensamento e conduta ajudarão a formar o karma de sua nação. O tema do destino coletivo é muito complicado porque se compõe de um número muito maior de elementos do que o do destino individual. A pessoa que nasce em uma determinada nação precisa compartilhar tanto o destino geral dessa nação quanto o seu karma individual. Se, entretanto, ela decidir retirar-se desse país por vontade própria e migrar para outro, passará a compartilhar um novo destino coletivo que deverá, sem dúvida, modificar o seu próprio e nele irá colocar sua marca, quer melhorando-o, por oferecer a essa pessoa mais oportunidades, quer tornando-o pior.

Existe um karma nacional coletivo que gradualmente se desenvolve e depois se materializa. Quando um grupo de várias pessoas vive e trabalha junto, quer em um país, quer em uma cidade, elas pouco a pouco criam para si mesmas um destino nacional ou municipal que terão de assumir. As vezes o resultado é bom, outras é mau, mas em geral é uma mistura de ambos. Por conseguinte, encontramos na história coisas tais como o destino das nações e das raças.



Paul Brunton
O Que É o Karma?

Liberte-se pela Paz!

Muitas pessoas que afirmam ter entregue seus assuntos financeiros a um poder superior vêem as
coisas indo de mal a pior. Esse ponto deve ser esclarecido. Não há verdadeira entrega, mas apenas auto-ilusão, quando ela é feita antes que a razão, a vontade e a autoconfiança tenham sido corretamente utilizadas.

Não existe uma forma fácil de escapar das dificuldades, sejam financeiras ou não, pela simples afirmação verbal da entrega. Essa prática é adquirida ao se lidar com elas, não rugindo delas em nome da entrega. 
A verdadeira rendição só pode ser feita quando a pessoa é suficientemente madura. A vida é uma luta para todos; somente os sábios lutam sem deixar que o ego interfira, mas a luta é a mesma. E eles têm de lutar porque o elemento adverso da natureza está sempre em guerra, destruindo onde eles constroem, estimulando a discórdia onde eles levam a paz e escravizando mentes que eles buscam libertar.



Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Que Decidem

Entregar-se a Deus

É possível fundir a sabedoria deste mundo com a sabedoria das coisas divinas?
Por que não?
Por que, por exemplo, não há de o pesquisador aliar-se ao administrador prático?
Conheço o dono de uma fábrica de produtos químicos numa província inglesa, que tentou fazer isto.   Toda a sua organização, seu equipamento de laboratório, seus métodos de anúncio e seus produtos manufaturados se colocam facilmente, entre os seus congéneres, como os melhores e os mais modernos. 
Ele trata seus numerosos operários na base da Regra de Ouro. Não há nada, dentro do bom senso, que não faça por eles, com o resultado de que não há nada razoável que os operários não façam para ele.   Todas as noites, antes de se recolher para repousar após um dia de poeira e esforços — e esse era o único tempo de que dispunha — dirige-se a um recanto sossegado de sua casa e dedica uma tranquila meia hora à quietude mental, extraindo daí uma paz sublime e energia alentadora, que o habilitam a manter uma secreta liberdade do espírito em meio de toda a mecanização de hoje. Ele tornou esta prática regular perfeitamente compatível com a vida ativa. Proporciona-lhe um equilíbrio interior em meio das distrações e turbulências da presente existência. A força e sabedoria superiores que ele encontra no divino centro, são mais tarde aplicadas na ação efetiva em sua administração.


Paul Brunton
O Caminho Secreto

Seja humilde

A agilidade e instrução intelectuais são coisas admiráveis e adornam o indivíduo, mas o orgulho intelectual levanta uma forte barreira entre ele e a vida superior que está sempre chamando por ele, conquanto silenciosamente. Os intelectuais orgulhosos se sentam em seus débeis pedestais e esperam ser adorados, quando existe a todo tempo uma divindade habitando nas profundezas de seus corações, e que é a única digna de adorações. O eu intelectual enfurna-se como um orgulhoso pavão diante dos olhares do mundo; mas o verdadeiro gerador de seus talentos e criador de seus feitos, o ser que o satura do princípio de vida e assim lhe permite existir, se satisfaz plenamente com o permanecer em segundo plano, ignorado e desapercebido dos homens.

A mais difícil das tarefas é a gente humilhar-se até a realização de sua própria pequenez, ignorância a vaidade. Contudo, a maior das conquistas nesse sentido conduz diretamente ao encontro da vida divina que Cristo prometeu a todos os que que perdessem a vida pessoal.

Para compreender estas coisas, não necessitamos do conhecimento e cultura de uma alta mentalidade. 
Os simples, os rudes e os primitivos podem assimilá-las prontamente por um ato de fé e oração, e podem mais facilmente assumir a atitude de reverência.


Paul Brunton
O Caminho Secreto

Governar-se pelo Bem Maior

Quando todo um povo envereda por um mau caminho, ele atrai o sofrimento para sua purificação e iluminação.

Enquanto o egoísmo governar a sociedade, ela estará sujeita a sofrimentos. 

Enquanto as nações mostrarem-se indiferentes às dificuldades de outras nações, mais cedo ou mais tarde elas compartilharão essas dificuldades.

Um povo rico não pode fugir da responsabilidade parcial por recusar ajuda a povos mais pobres, nem uma nação poderosa por tolerar a perseguição de outras, nem ainda uma raça agressiva por dominar à força raças mais fracas. 

As guerras mundiais ilustraram amplamente essas verdades.



Paul Brunton
O Que É o Karma?

Encontramos no Eu Superior o valor supremo e absoluto, pois ele transcende o próprio plano da
ideação. O Eu Superior não pode se separar do karma cósmico, mas não está sujeito à ação da causalidade pessoal, porque não está sujeito à personalidade, à mudança e à relatividade; ele está além dos limites dessas ideias que surgem dentro desse karma.

Quando viermos a refletir sobre a natureza da realidade suprema, compreenderemos por que isso acontece dessa maneira. Por conseguinte, o karma pessoal não pode agir nessa esfera do absoluto, por mais rígida e inflexível que seja sua atuação dentro do mundo do espaço-tempo da existência relativa. O fato de a causalidade pessoal não existir no sentido mais profundo da existência oferece uma grande esperança para a humanidade, pois torna possível a introdução do fator totalmente novo e inesperado da Graça na vida e nas vicissitudes humanas. 

E como um colete salva-vidas ao qual os mortais desesperados podem agarrar-se. O pior pecador pode receber o que não fez por merecer, se sinceramente vier a se arrepender, fizer todas as correções possíveis e mudar de atitude, passando a cultivar uma fé sublime. Independentemente de como possa ter sido sua vida pregressa, se, ao mudar seus pensamentos e suas ações, ele conseguir fazer-se ouvir nesse plano mais elevado, é sempre possível que a dádiva da Graça desça sobre ele.


Paul Brunton
O Que É o Karma?


Sempre no Bem

O mal surge apenas quando um ser perde-se na ilusão da separatividade e do materialismo e entra, então, em conflito com outros. Não há um princípio definitivo e eterno do mal, mas existem forças do mal, entidades invisíveis que se extraviaram e que são tão poderosas em si mesmas que trabalham contra a bondade, a verdade e a justiça. Porém, por sua própria natureza, tais entidades estão fadadas à destruição; e mesmo seu trabalho de oposição, no final, é utilizado para o bem, tornando-se a força de resistência contra a qual a evolução testa suas próprias obras, a pedra na qual ela afia nossa inteligência, o espelho no qual ela aponta nossas falhas.


Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Que Decidem

Seja vigilante!

Dificuldades internas e externas frequentemente estão relacionadas.

O que parece ser uma situação crítica pode bem ser um ataque decisivo de certas forças malignas utilizando instrumentos humanos que estejam dispostos a isso. Em tal situação, você não deveria jamais deixar de resistir mas, pelo contrário, lutar contra elas tanto quanto possível. 

Ao mesmo tempo, deve lembrar-se de que se não houver suficiente autocontrole, você pode dar a essas forças do mal uma abertura que de outra maneira elas não teriam. Deve estar vigilante se desejar sair vitorioso dessa luta. Se você mesmo não se livrar dessa condição, sem se dar conta, irá erigir uma barreira que dificultará a intervenção da ajuda divina que lhe é enviada. 

Embora em tal situação seja compreensível tentar buscar alívio, por exemplo, no caminho fácil da bebida, você deve, no entanto, lembrar-se de seu dever para com sua vida espiritual, seus relativos interesses pessoais e para com os outros.


Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Que Decidem

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Bem-aventurados os que sofrem perseguições por causa da justiça...

Bem-aventurados os que sofrem perseguições por causa da justiça, porque deles é o reino do céu. Bem-aventurados sois vós quando vos injuriarem e perseguirem, e mentindo, disserem todo mal contra vós por minha causa."



Também combinei num só verso estas duas sentenças, por estarem tão intimamente relacionadas entre si. Assim chegamos a uma sétima e final beatitude. Há uma profunda razão para que Jesus finalizasse com este pensamento. Na misteriosa matemática que governa o cosmos, o número sete é o número de culminação evolucionária, o número da complementação espiritual. Notar-se-á que tanto no início como no final das beatitudes, Jesus menciona o reino do céu, que é a Eterna Realidade. Quem atingiu esta divina Consciência, dali em diante identifica seus próprios interesses com os do Todo. O bem-estar de todas as criaturas viventes está junto de seu próprio coração. A sutil unidade da vida por trás das miríades de vidas individuais, ele a conhece por experiência pessoal. Daí que a sua atitude para com todos seja a de perfeita simpatia. A esta regra ele não pode fazer nenhuma exceção. Tal como o sol ilumina igualmente bons e maus, assim o homem cujo coração mora no reino do céu, irradia sua própria luz, por igual, sobre bons e maus. Isto é, ele existe dentro do elemento do amor divino.

Assim, é só quando vossa própria vida se torna divina que descobris a divindade atrás das vidas dos demais. Quando rea-lizais a Verdade — quando descobris o Eu Universal, ou o Super-eu, quando o realizais e conheceis verdadeiramente, então descobrireis que existe apenas o Eu Único, o Ser Único — então conhecereis o real significado do amor. Tereis uma tolerância e simpatia que “ultrapassam todo entendimento".

A mais alta expressão do amor provém do entendimento e de mera emoção ou sentimento. O amor baseado no entendimento é a habilidade de vos pordes em harmonia com toda criatura, de conhecerdes como todos pensam e sentem, e o fazerdes com integral simpatia. Do reservatório do amor da sabedoria pensais e agis em perfeita harmonia com todas as criaturas vivas.

“Amor” é uma palavra ultra-abusada, mas eu a emprego ao melhor sentido possível, o qual significa simplesmente isto: que experimentareis harmonia com todo o Universo, com todos os seres vivos, com todas as criaturas manifestadas. Vós as amareis todas porque encontrastes dentro delas a mesma essência divina que está em vos.  Todas elas brotam de uma mesma raiz, e essa raiz é o Super-eu. São humanamente aparentadas e divinamente relacionadas convosco; através do Super-eu podeis compreendê-las e com elas simpatizar plenamente. Há em realidade apenas um Super-eu. E encontrando-o, encontrareis o Super-eu da outra pessoa, e quando o encontrardes, entrareis automaticamente em perfeita harmonia com a outra pessoa, quer ela o saiba ou não. Daí que tanto dareis como recebereis amor. Manifestais para com essa pessoa uma atitude idêntica ao sentimento que manifestais para com vossa própria personalidade. Haverá completa e perfeita harmonia com todos os demais, no sentido de que os outros não são basicamente diferentes de vós. 

Este é o sétimo fruto do atingimento. Existe amor real quando há a verdadeira identificação interna com a vida de outra entidade. Inevitavelmente tornareis os interesses de todos os seres tão caros a vós como os vossos próprios interesses. Dentro de vós nascerá uma grande compaixão pela humanidade ignorante e sofredora. O bem-estar de todas as criaturas será vosso. Nenhum estreito nacionalismo pode circunscrever o amor que sente o adepto pelo seu próximo. O amplo mundo é seu lar. Além disso, vós também recebereis amor — não de todos, embora o deis a todos, mas de alguns que são suficientemente sensíveis para discernir vossa invariável atitude interna para com eles — ainda que seja apenas de uns poucos. Mas certamente o recebereis num único sentido, porque todos estão à procura desta vida divina, quer o saibam ou não. Procurando-a, devem necessária e inevitavelmente amar-vos, ainda que inconscientemente, se a encontrastes, porque automaticamente lhes tornais acessível um caminho para aquilo que procuram. Não necessitais fazer nenhum esforço externo para ajudá-los. Bastará vossa simples presença, porque sois um conduto do mundo do Infinito para os vossos próximos finitos. Se buscam conscientemente, então eles compreenderão melhor e talvez vos amem conscientemente.

Mas por que alertou Jesus a Seus discípulos que esperassem perseguições? Por que, numa outra ocasião, enviou Ele seus doze apóstolos ao mundo com a forte advertência: “Eis que envio como ovelhas em meio de lobos: sede, pois, prudentes como serpentes e inofensivos como pombas”. O peregrino instrutor galileu quis evidentemente dizer que não bastava ser apenas bom, nem apenas inofensivo. Tendes também que ser astuto como a cobra, uma das mais astutas criaturas.

Por quê?

Porque todo este mundo, este vasto universo e o panorama da vida que se estende por sua superfície, é a interação de duas forças cósmicas, a involução e a evolução, a criação e a destruição, chamadas ora o bem ora o mal. Da nebulosa atmosfera do começo cósmico nasce a infindável procissão destes poderes gêmeos. Eles estão sempre em atividade e assim estarão até o desaparecimento do universo. Deveis perceber como, por esta luta, esta constante interação e inevitável conflito, este desconcertante conflito de forças, a maravilhosa corrente de vida flui através do mais variegado cenário, de sorte a receber as mais ricas experiências. Assim o homem é feito, seu caráter é formado por suas lutas com o elemento adverso da Natureza, e a oposição é por fim transformada em oportunidade. Seus cambaleantes passos acabarão levando-o à meta divina. Destarte a história se converte algo mais do que um mero fio de acontecimentos isolados, mais do que uma fortuita cadeia de ocorrências, e mais do que um lúgubre catálogo de impérios arruinados.

Agora estamos mais bem preparados para atinar por que Jesus advertiu a Seus apóstolos que esperassem por transtornos. O elemento adverso existe na Natureza tanto para destruir a obra prática das mentalidades divinamente construtivas como para opor-se ao uso da luz pelos seres divinamente guiados. Nenhum autêntico profeta, nenhum verdadeiro apóstolo da Divindade tem a ventura de lançar-se no mundo e percorrê-lo numa sagrada missão de ajuda e serviço espirituais, sem deparar com a hostilidade destas forças tenebrosas. Estas acham instrumentos humanos cegos e inconscientes por meio dos quais podem obstar as atividades altruístas de homens iluminados. Não raro tais inimigos desencaminhados são lançados ao exercício do criticismo, falsidade, calúnia, malícia, ódio, e finalmente, a atos de violência pessoais, como o prova a própria crucificação de Jesus. 

Não que Jesus temesse a morte. Quem conhece a Verdade a respeito da vida não cuida a sério se ele morre ou vive, pois não se identifica com o corpo. Para ele a morte nada mais significa senão nascimento. A vida única é eterna. Nunca nasceu nem nunca pode morrer. Continuará por todo o sempre. Realizando esta infinita paz, por que há de o conhecedor da Verdade amimar indevidamente o corpo? Ele está plenamente preparado para desfazer-se de seu corpo a qualquer tempo, pois a morte perdeu o seu terror.

A longa linha de místicos que foram martirizados, e de profetas que foram punidos porque ousaram proferir as espantosas verdades brotadas de seus corações, explica-se. A verdade mais alta dissolve o poder dos credos e destrói as injunções de castas; ela vem para libertar o homem e derreter suas cadeias autoforjadas. Que admirar, pois, que os donos do mundo, que defendem lugares entrincheirados, temam as vozes divinas e procurem silenciá-las?

Ninguém, que ouse promulgar uma mensagem recebida de uma fonte superior, que ouse expressar a visão estranha a este mundo, pode torná-la conhecida sem ter de sofrer uma legião de críticas, uma infinidade de incompreensões, as aguçadas setas da inveja, e as amargas falsidades dos inimigos. Mas, se é sincero, ele emergirá, por causa de uns poucos, dos calmos e enclausurados retiros que sempre estão abertos para ele. Estará preparado para receber grata, compreensiva e simpaticamente o que lhe suceda. É por causa desses poucos que ele suporta as ofensas e ferimentos que outros lhe causam. Não procura fazer conversos. Ele surge para familiarizar os indivíduos com certos fatos, não para convertê-los. Pois

Convencer um homem contra a sua vontade
É mantê-lo na mesma opinião.

Mas nós vivemos no meio de acontecimentos mundiais trepidantes. O desesperado clamor de milhões de homens e mulheres, a agonizada indagação de milhares de almas perplexas, mas sinceras – erguem-se até os lugares mais alcandorados e bradam tumultuosamente às próprias portas do Olímpio.  Deste planeta manchado de sangue se levanta uma nuvem vermelha, que roça os olhos dos deuses; ela se move ao compasso dos incessantes gritos que também ecoam no Olimpo.

Em todas as estatuetas Buda é representado com grandes orelhas pendentes, porque, como deus sob forma humana, ele possuía o sentido super-humano que ouvia todas as agudas agonias da Humanidade. E assim não necessitamos de ficar surpresos se seres menores que Buda ouvem o grito do mundo e vêm até nós para trazer-nos sua paz, verdade e amor.

São esses os sete prêmios que podemos esperar encontrar quando terminarmos a busca. Mas, lembrai-vos, tudo é realmente um único prêmio, um divino estado de ser. O intelecto é que, examinando-o, analisando-o, criticando-o, seccionando-o, produz estes sete aspectos. Há essencialmente este único estado, e sempre, espontaneamente, ele reúne o que quer que demande dele cada circunstância. Não pode seccionar-se; é todo-abarcante.

Depois de tudo, as palavras não passam de meros rótulos e nomes. Existe tão-só uma consciência última para ser encontrada, e a variedade de nomes não lhe faz nenhuma diferença. O que o cientista chama Realidade Desconhecida, o budista Nirvana, o hindu Libertação, Jesus o Reino do Céu, o iogue Concentração, o místico União com Deus e o sábio Autoconhecimento, nós chamamos precisamente o mesmo, isto é, clara e consciente realização do que realmente sois. Isto traz consigo o preenchimento de vosso propósito aqui na Terra, e de todos os modos: física, mental e espiritualmente. É serdes transcendental, uma vida acima da matéria e da mente. Se encontrarmos esta vida superior — e realmente não há nenhum “se” a esse respeito, porque não há escape, é o único destino final aberto ao homem, ainda que a Natureza seja paciente e espere milhões de anos esse preenchimento, se for necessário — quando a encontrarmos, obteremos a bela condição descrita pelo Mestre Jesus nas simples beatitudes, finalmente enunciadas.

Que inúteis cargas de palavras levam nossos livros! Que é todo o nosso preenchimento intelectual comparado com esta realização espiritual? Os decantados literatos de ambos os hemisférios parecem pigmeus no desfilar da vida, ao lado dos homens divinos que se encontraram a si mesmos. Disse algures H.G. Wells que as grandes verdades universais eram tão poucas que poderiam ser escritas num cartão postal. Se já houve alguém capaz de as condensar num espaço assim tão pequeno, esse foi Jesus.


Paul Brunton

A Realidade Interna


segunda-feira, 17 de outubro de 2016

"Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos"


"Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos."



Que significa justiça? Não significa o que pensam o acanhado mundo e as mentes tacanhas. Nada tem a ver com o que o mundo pense a vosso respeito. O mundo não tem competência para julgar sobre o que constitui ou não justiça.

Uma coisa está certa quando é correta. A língua francesa usa uma só palavra (juste) para indicar tanto a qualidade de justiça num homem como de exatidão numa medida. Tanto a medida como o homem estão certos quando se ajustam à verdade. Daí que a fome pela justiça signifique realmente ter fome pelo ajustamento de seu próprio eu à Verdade.

Nesta idade revolucionária, quando tantos de nós estão cansados das velhas fórmulas e ensinos obsoletos, as pessoas mais pensadoras não endossam nenhum culto, credo ou contra-senha especiais, mas querem a Verdade que os transcende a todos. Este é o misterioso "El Dorado" que está além das fronteiras do conhecimento comum. É uma terra fabulosa sobre a qual muitos têm escrito, mas a que poucos têm chegado. Pessoalmente, eu sou um amante da sabedoria da antiguidade. Sinto-me fascinado pelas antigas religiões, pelas antigas filosofias e pelas antigas literaturas. Mas deploro-as e nego todas desde o momento em que alguém procure utilizá-las como cadeias para atar meus pés e mente. Tal é o paradoxo; amando o antigo, devo contudo expressar o novo. E existem muitos outros que sentem como eu; que procuram compreender de uma maneira moderna por que é que estamos aqui e qual é o propósito da vida.

Justiça significa que vos alinhastes com o propósito de vossa própria encarnação, o qual é a realização da verdade nela implícita. Se estais faminto por essa meta; se sentis consciente ou inconscientemente que estais aqui para um propósito sagrado e que quereis satisfazer esse propósito; se tendes a aguda fome, a intensa aspiração para descobrir a Verdade espiritual, custe o que custar, então, por fim, vos será dada a Verdade, ou como disse Jesus, sereis "farto" da Verdade.

Isto significa que se nunca renunciais a vossa aspiração, se encetais a busca e perseverais, ano após ano, até à própria borda da sepultura, se necessário for, então sereis farto, então vossa aspiração será finalmente satisfeita. Deus implantou esta aspiração em vosso coração porque é Sua intenção vê-la cumprida na hora predeterminada; assim podeis ter de esperar. Não obstante, nunca renuncieis à vossa aspiração, nunca renuncieis a esta busca do Super-eu, e por fim notareis que valeu a pena esperar. Quem quer que siga esta senda de pesquisa introspectiva, quem quer que tenha a coragem de desprender-se por um momento de suas tristezas e alegrias pessoais, esse pode verificar por si a veracidade de cada uma das palavras de Jesus. Pode obter a mais plena demonstração e a mais clara experiência da realidade das mesmas.

Ter fome e sede, na expressão de Jesus, é nunca desistir da busca, não importa o que vos possa acontecer. "Se o caminho que mostrei para conduzir até lá parece muito difícil, pode, no entanto, ser encontrado. Com efeito, deve ser difícil, já que é tão raramente descoberto. Pois se a salvação fosse de fácil alcance e pudesse ser descoberta sem grandes trabalhos, como poderia ocorrer que fosse tão negligenciada por quase toda gente?", disse Spinoza.

Temos muita fé, mas pouca fidelidade. Muitos são os que creem num ideal, mas poucos são os que o seguem até o fim.

A realização é fruto de lutas. A disciplina da vida está sempre presente. Cada homem traz sobre si um problema. Se a vida fosse suave ano após ano, cessaríamos de evoluir. O mundo representa oposição, a qual requer tempo para ser vencida. Quem quiser realizar, deve superar e não render-se.

É intenso o vosso desejo de conhecer a Verdade? A Verdade é tão sutil e enganosa que, a não ser que tenhais a aguda determinação, o ardente anseio por ela, que persistais anos a fio, jamais a encontrareis. Seja o que for que aconteça, não permitais que as decepções na vida vos desviem de vossa busca, porém continuai vossa pesquisa sem vos importardes com o que vos suceda, e se assim procederdes, acabareis atraindo aquilo que procurais. Todavia, procurai a verdade tão-só por causa da própria verdade. Deveis estar preparado para evitar desvios. Se a procurais esperando benefícios materiais ou experiências psíquicas, estais esperando pelo que é fugaz, e perdereis de mira a verdade.

A Verdade é a meta mais elevada, porque do pico dessa montanha podeis ver tudo o mais tal qual é realmente. Podeis verificar que muitas etapas que tendes suposto ser a meta, nada mais são do que etapas sucessivas. Ela vos mostrará quantas meias-verdades e quartos-de-verdades e imitações de verdades se têm exibido como verdades inteiras. Dar-vos-á um entendimento da verdade acerca de vós próprio, da vida e do Universo como um todo, que vos eliminará todas as dúvidas.

Nunca mais tereis a menor dúvida sobre a base fundamental destes mistérios. Se experimentardes uma dúvida no curso de um ano, ou mesmo no curso de dez anos, nunca podereis encontrar a verdade espiritual. Quando houverdes encontrado a verdade, nunca conhecereis nem mesmo a possibilidade de admitir dúvidas ou contradições em vossa mente; sentireis certeza absoluta, fixa e inalterável.

Paul Brunton

A Realidade Interna.


quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Uma carta de P.B. a P.B.



(1) Não é a tirania do ego que deve, acima de tudo, ser removida — embora esta seja uma parte necessária do Grande Trabalho — nem é para se arrancar o ego pela raiz e matá-lo para sempre — embora o velho eu precise render-se à nova pessoa na qual têm que se transformar. Não — que ele viva e cumpra seu trabalho cotidiano, mas somente como um ser purificado, como um caráter enobrecido ou mente aquietada, como um homem iluminado — em suma, um novo ego representando o que há de melhor na criatura humana. Ele ainda será um "eu", mas um "eu" em harmonia com o Eu Superior — um termo que deve ser mantido e não descartado. Portanto, não ataque o ego em seus escritos, como tantos fazem, mas eleve-o a mais alta possibilidade.

(2) O número de instrutores aumenta diariamente, e eles pedem a outras pessoas que os sigam. Os ensinamentos se multiplicam e os livros sobre eles também. Não se preocupe com isso. Deixe que façam seu trabalho, extremamente necessário. Mas você precisa entrar num ritmo novo e diferente, e dizer a todos que queiram ouvir, que não precisam sentir-se desamparados, perdidos ou sem esperança por não encontrarem ninguém que fale a seus corações ou a suas mentes. A eles pede-se apenas que sigam o Deus dentro de si mesmos, pois "o Reino dos Céus está dentro de você". P.B. — transmita esta mensagem com todo respeito e honra aos instrutores de hoje e do passado. É preciso lembrar aqueles que se sentem sozinhos nessa área ou que só conseguem caminhar longe dos grupos num caminho independente, que existe um Deus dentro deles, que pode guiá-los e ajudá-los, caso se voltem para Ele. 

Paul Brunton.
Notebook V.2

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Cotas ou frases diárias de Paul Brunton



Cotas ou frases diárias de Paul Brunton em português e espanhol!

Se inscrevam!

Entre no link (AQUI) e faça o pedido, ou envie solicitação para o email: soradasan@gmail.com
É gratuito, diário. Um ensinamento por dia de Paul Brunton!


Paz e Bem.









" Jesus disse que é a Graça que inicia e mantém o homem no caminho para Deus, ainda que seu coração e vontade tenham também de fazer esforço. Ramana Maharshi confirmou essa declaração. "



Paul Brunton


" Não é por acaso que Jesus disse a seus discípulos, desde o começo de sua missão, que se arrependessem, isto é, modificassem uma concepção errada e abandonassem a maneira de viver culposa. Mas os atos nascem das ideias. Era antes de mais nada uma mudança na maneira de pensar o que Jesus declarava. Nas circunstancias mundiais atuais, o valor deste conselho aparece plenamente.   O mundo convencional, julgando pelas aparências em vez de julgar as aparências em si mesmas, foi conduzido, aos trancos e barrancos, a consciência rudimentar e fragmentária do que se passa sob a superfície das coisas.  Os acontecimentos que hoje presenciamos fazem soar as badaladas mortuárias de um mundo de pensamentos, de uma longa época de ideias, fora de moda. Nós nos alistamos numa luta para a conquista de novos valores que devem ser evidentemente o fruto de uma conceito de vida mais nobre que a que presidia a ordem antiga. "

Paul Brunton




" Como pode o auto-esforço do ego realizar a grande iluminação? O ego só pode abrir caminho para ela, limpar seu veículo e remover as fraquezas que a excluem. Mas a luz da sabedoria e propriedade do ser interno — a Alma — e portanto apenas esse ser interno pode proporcioná-la ao homem. Como pode o ego dar ou obter algo que pertence ao Eu Superior? Não pode. Só o divino pode dar o divino. Isso quer dizer que só pela Graça se consegue iluminação, não importa com quanto ardor se lute para obtê-la. "

Paul Brunton

"Nós podemos nos conservar mais calmos e equilibrados entre os terrores da nossa época se nos ativermos a verdade do mentalismo, se encararmos tais erros como experiencias cujo conteúdo e em última instância tão mental como o dos sonhos. E assim como os homens durante os pesadelos sofrem por se sentirem presos a realidade da experiência, coisa que não aconteceria se lhes fosse dado saber que estavam apenas sonhando, assim também nos modificamos os nossos sofrimentos físicos mantendo-nos despertos para o fato de que eles não são senão ideias que sobrevêm e são sentidas, mas que, assim como vem, vão-se embora. O filosofo, mais que qualquer outra pessoa, e capaz de mostrar o caminho aos outros numa época de perplexidade em que o mundo se encontre numa encruzilhada. "

Paul Brunton

Tempo-espaço?

As Mágicas do Tempo


A estranha luz que a relatividade fez jorrar sobre as nossas crenças acerca do espaço é em tudo
semelhante aquela que fez jorrar sobre as nossas crenças acerca do tempo. 

A segurança com que colocamos uma data num acontecimento ficará comprometida quando soubermos que tal acontecimento será visto em ocasiões diferentes por dois observadores colocados em corpos dotados de diferentes velocidades de deslocamento. 

Igualmente surpreendente é saber que duas ocorrências que para uma testemunha são simultâneas, para outra parecerão intervaladas.

A Terra já não gira no espaço com a mesma velocidade dos dias da sua juventude e, conseqüentemente, a duração do nosso dia é pelo menos o dobro dos dias de então!

A relatividade do tempo é tal que a tarda tartaruga que vive um século inteiro poderá não perceber que dura mais do que o fugaz inseto que nasce, cresce, reproduz-se e morre numa única semana, pois ela determina a sua experiência segundo um ponto de vista diferente. O que importa e o número de sensações que passam pela mente; se o número for o mesmo em ambos os casos, os anos não terão a menor importância. 
Aqueles que já experimentaram certas drogas sabem que uma das consequências e o surgimento de um sentido anormal de tempo de modo que um ato banal como o erguer a mão tomará meia hora na consciência para se consumar, conquanto para um espectador seja obra de uma fracão de segundo. 

Pessoas que escaparam de morrer afogadas dizem que durante o curto intervalo que precede a in-consciência a história de toda a nossa vida nos vem a mente com a velocidade de um relâmpago.

Nós adormecemos e temos a sensação de acordar logo após em sonhos, mas descobrimos posteriormente que despertamos apenas na manhã seguinte. Nos nos sentimos tão despertos durante o sonho como durante o dia.  No entanto, em cinco minutos de sonho fazemos uma viagem que em estado desperto levaria três semanas. 

Em sonhos vivemos longas sequências de acontecimentos dramáticos, amiúde cheias de detalhes, e nos parece que horas ou dias se passaram, quando a investigação revela que toda a fieira de acontecimentos ocupou tão somente uma fracão de minuto! 

Assim, a experiencia revela as estranhas flutuações da nossa noção de tempo quando abordamos o mesmo ângulos diferentes.

Paul Brunton
A Sabedoria Oculta Além da Ioga

Filosofia - busca total da verdade universal

Estranhas Descobertas Sobre a Verdade, Deus e o Espírito. 



" A filosofia é a busca total da verdade universal, do significado básico de toda a existência. 

A maior parte dos homens que se filia a um determinado credo religioso, culto ou escola de pensamento adota a atitude de considerar tais doutrinas como a última palavra da sabedoria, atitude de âmbito eivada de contradições. 

A implicação inconsciente dessa atitude e esta: Eu sei que isto é verdade — mas como lhes é possível ter certeza de que aquilo que sabem é verdadeiro, se não fizeram previamente um exame crítico e analítico das bases do seu conhecimento, se não fizeram um estudo semelhante de todas as doutrinas comparativas e antagônicas, e, acima de tudo, se ainda não fizeram um esforço no sentido de determinar o exato significado da verdade? 

Nada melhor para conseguir uma visão da aplicação filosófica dos princípios ora estabelecidos do que começarmos a examinar os significados atribuídos a essa palavra verdade por alguns dos nossos contemporâneos. "


Paul Brunton
A Sabedoria Oculta Além da Ioga

A Presença Misteriosa

Nas etapas iniciais do progresso espiritual, a Graça pode mostrar-se por meio da concessão de emoções enlevadas. 

Isso encoraja o aspirante a continuar a Busca e a compreender que até então está se empenhando de maneira correta. Mas, alcançado tal propósito, os estados de bem-aventurança por fim passarão, como devem passar. 

Ele então erroneamente imaginará que perdeu a Graça, que deixou de fazer algo que deveria ter feito ou que fez algo que não deveria ter feito. A verdade é que foi a própria Graça que trouxe essa perda, que constitui sua próxima etapa de progresso, embora não proporcione prazer algum a mente consciente, apenas dor. 

A crença de que perdeu o contato direto com o Poder Maior, que ele antes usufruía, está errada: seu contato era na realidade apenas indireto, porque suas emoções estavam então ocupadas consigo mesmas e com o prazer da experiência.

O aspirante está sendo separado delas para que possa esvaziar-se de todo desejo, para que possa tornar-se completamente humilde no que se refere ao ego e assim ficar pronto para a hora em que a alegria, uma vez reconquistada, nunca mais o deixará. Agora ele esta no limiar da noite escuta da alma. 
Nesse estado a Graça também atua em seu ser, mas nas profundezas da mente subconsciente, bem longe da sua vista e além do seu controle.

Paul Brunton
A Graça Divina

Seria o perdão um possível anulamento da lei do carma?

" Seria o perdão um possível anulamento da lei do carma?

Não haverá saída para uma consequência cármica que cria outras numa serie infindável e sem esperança? Acredito que Jesus tenha dado uma resposta para a primeira pergunta, e Esquilo para a segunda. Mateus, 12:31: "Então eu Ihes digo, todo pecado e blasfêmia serão perdoados ao homem", foi a clara declaração de Jesus. Quanto ao difícil problema proposto pela segunda pergunta, reflitam sobre a solução sugerida por Esquilo: "Somente no pensa-mento de Zeus, o que quer que Zeus seja.

O carma deve operar automaticamente, mas o Poder por detrás do carma sabe todas as coisas, controla todas as coisas, controla ate o próprio carma, sabe e compreende quando o perdão é benéfico.

Nenhuma mente humana pode penetrar esse Poder; portanto Esquilo acrescenta a sentença descritiva: "O que quer que Zeus seja". O perdão não destrói a lei do carma; complementa o trabalho dessa lei. 

"Todos nos mortais precisamos de perdão. Não vivemos como deveríamos, mas como podemos", escreveu Menander quase quatrocentos anos antes de Jesus. "


Paul Brunton
A Graça Divina.

Conselhos...

"Isto e tua servidão: pratica a meditação", assim disse o sábio Hindu Ashtavakra, que viveu há"
alguns milênios.

Esta citação por nós feita no segundo capítulo do "Ensino Secreto Além da Yoga", na maior parte desse capítulo, chocou os sentimentos e alarmou as antecipações de numerosos leitores. 
Tiveram receio de ensinar que a meditação devia ceder lugar a metafisica.   Pode-se ver agora quanto esta emoção era inútil. Seria preciso ter paciência e esperar o conjunto do ensino. 

Tilopa, sábio tibetano, do seculo IX, disse do mesmo modo:  "Não medite. Mantenha sua mente em estado natural". Um conselho negativo que não constitui uma revolta; antes é um progresso natural.   É dado, não aos neófitos, aos quais poderia prejudicar, mas aos estudantes mais adiantados, aos quais seria mais proveitoso, simplesmente uma tentativa para por a meditação no lugar que lhe compete entre todos os outros elementos que compõem a trama complicada da vida; e para lembrar a seus adeptos entusiastas que a pesquisa não termina com ela somente; para lhes lembrar que o que procuram se acha, a partir de agora, no mais profundo de si mesmos. "


Paul Brunton
A Sabedoria Oculta Além da Ioga

terça-feira, 26 de julho de 2016

Jesus



" Jesus comparou o reino dos céus a um grão de mostarda, que era uma comparação entre os judeus para qualquer coisa extremamente pequena.

Por que ele fez isso?

Porque, no seu primeiro aparecimento, o Reino não é uma experiência, mas uma intuição - e esta última começa extremamente como uma imperceptível e pequena condução. "

Paul Brunton.

Notebooks Category 22: Inspiration and the Overself. Chapter 1: Intuition the Beginning

São Paulo, em Cristo

São Paulo, seguindo o mestre que ele nunca chegou a ver, mas que conheceu muito bem em espírito, colocou a compaixão acima de todas as virtudes. Será que os poucos que tentam ser verdadeiros cristãos estão simplesmente perdendo seu tempo, pelo menos nesse ponto? É o que dizem os yogues que acreditam que devemos abolir todo o esforço de servir e nos concentrar apenas na auto-realização. No entanto, nem Jesus, nem Paulo eram meros sentimentalistas. Conheciam o poder da compaixão na dissolução do ego. Por conseguinte, ela fazia parte do seu código moral. Também conheciam outra razão pela qual deviam praticar a conduta altruísta e adotar atitudes nobres. Se seguirmos seus passos, podemos antecipar o fim da ação de um mau karma ou até mesmo impedir uma punição que, de outro modo, seria inevitável.

Paul Brunton
O Que É O Karma?

Por um mundo melhor...

Se quisermos entender o que vem acontecendo no mundo, precisamos primeiro entender que o karma das nações e dos continentes é a causa oculta do sofrimento do planeta.


Uma nação surge da soma de todos os indivíduos que nela habitam. Você é uma das pessoas cujo pensamento e conduta ajudarão a formar o karma de sua nação. O tema do destino coletivo é muito complicado porque se compõe de um número muito maior de elementos do que o do destino individual. A pessoa que nasce em uma determinada nação precisa compartilhar tanto o destino geral dessa nação quanto o seu karma individual. Se, entretanto, ela decidir retirar-se desse país por vontade própria e migrar para outro, passará a compartilhar um novo destino coletivo que deverá, sem duvida, modificar o seu próprio e nele ira colocar sua marca, quer melhorando-o, por oferecer a essa pessoa mais oportunidades, quer tornando-o pior.


Existe um karma nacional coletivo que gradualmente se desenvolve e depois se materializa. Quando um grupo de várias pessoas vive e trabalha junto, quer em um país, quer em uma cidade, elas pouco a pouco criam para si mesmas um destino nacional ou municipal que terão de assumir. Às vezes o resultado é bom, outras e mau, mas em geral é uma mistura de ambos. Por conseguinte, encontramos na historia coisas tais como o destino das nações e das raças.

Paul Brunton
O Que É O Karma?


Quando não acontece...

Quando o ensinamento de que você inevitavelmente receberá o resultado de suas ações for aceito por satisfazer a necessidade racional de entendimento e a necessidade emocional de justiça; quando essa ideia calar mais profundamente no coração e proporcionar uma clareza intelectual; quando a veracidade desse ensinamento for reconhecida e sua justiça trouxer alento; quando ela começar a se tornar dinâmica na sua visão de mundo, ela inevitavelmente passará a influenciar sua vida exterior, e não mais deixará de faze-lo. Quando isso aparentemente não acontece, é sempre porque a aceitação é apenas superficial e verbal, ou porque o egoísmo inato e a paixão sem controle dominam o sub-consciente. 

No primeiro caso, a doutrina e conhecida apenas por meio de uma tradição decadente ou pela repetição de chavões, o que com frequência ocorre no Oriente. Pela sua aceitação convencional, ela jamais se transformou em uma convicção profunda e, consequentemente, perdeu muito de sua força ético-disciplinar. No segundo caso, os complexos estão em ação sem que a pessoa perceba, impedindo-a de dar o devido valor a doutrina. Diante disso, é evidente que, em última análise, tenhamos a tendência a fazer o que pensamos e sentimos.

Paul Brunton
O Que É O Karma?

Tipos de imortalidade

Há dois tipos de imortalidade (enquanto o eu inferior domina a consciência): o primeiro é a "infindável" evolução do ego que gradualmente se desenvolve por meio de suas múltiplas manifestações; o segundo e a verdadeira imortalidade do etemo e imiscível Eu Verdadeiro — ou Eu Superior - que é eternamente subjacente e que sustenta esse ego.

Minha referencia é ao fato de que não devemos nos agarrar ao ego significa simplesmente que precisamos aprender a arte de liberar o que e transitório em nos mesmos e em nossa existência, ou seja, o que só pode sobreviver temporariamente. A Verdadeira Individualidade, a sensação e o sentimento de simplesmente Existir, não pode perecer e e a verdadeira imortalidade. A ninguém é pedido que deixe de gostar e de se interessar pelas "coisas": todos podem continuar a apreciá-las, desde que se compreenda que são transitórias e não se iludam a ponto de supervalorizá-las. Os profetas apenas dizem que a vida eterna não pode ser encontrada nas coisas.


Paul Brunton
O Que É o Karma?

A Mente-do-Mundo e a continuidade natural

E por meio de processos kármicos que agem mutuamente que esse universo pode manifestar-se.
A Mente-do-Mundo não produz imagens gerais do mundo por um decreto arbitrário, e sim pela continuidade natural dessas imagens como resultado de todas as que existiram anteriormente. Elas são a continuação de todas as imagens do mundo de que se tem lembrança que apareceram anteriormente, porem modificadas e desenvolvidas por meio de sua própria mutua interação e evolução, e não pelo decreto caprichoso de um Deus humanizado.

A Mente-do-Mundo cria o universo pensando nele de forma construtiva, mas não arbitraria. Os pensamentos surgem espontaneamente regidos por uma estreita lei kármica e evolutiva. Deve-se enfatizar que de acordo com essa perspectiva o universo constitui um sistema autopropulsor, embora seja preciso igualmente compreender que o sistema em si depende da Mente-do-Mundo para a continuidade de sua existência e ininterrupta atividade. Todas as forcas kármicas e formas-pensamento levam avante suas mutuas atividades, entrelaçam-se, interagem e evoluem espontaneamente na presença da luz do Sol. Mas e a essa presença que elas devem seu sustento e sua existência.


Paul Brunton
O Que É o Karma?

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Um dos maiores equívocos entre as pessoas que acreditam no karma, e talvez um dos principais obstáculos à sua aceitação por parte de outras, é a ideia de que ele só produz efeitos após longos períodos de tempo. O que fazemos hoje voltará para nós em uma encarnação futura, séculos mais tarde; o que experimentamos hoje é resultado do que fizemos há centenas ou até mesmo milhares de anos; o que estamos colhendo agora neste século é fruto do que semeamos em Roma no século II — esses são os conceitos comuns a respeito da reencarnação e do karma. 

No entanto, tudo que temos a fazer é abrir os olhos e olhar em volta para ver que em toda parte as pessoas estão obtendo agora os resultados do que fizeram nesta mesma encarnação.


Paul Brunton

O Que é O Karma?

 Nossas vidas precisam achar o áureo meio termo.

Precisamos diariamente manter-nos por alguns momentos em quietude mental, sem perder nossa capacidade para trabalhos práticos.

Precisamos estabelecer um equilíbrio conveniente entre os elementos místicos e materiais de nossa natureza, por diferentes e incompatíveis que aparentemente sejam.




Paul Brunton

O Caminho Secreto

quinta-feira, 26 de maio de 2016








"Convencer um homem contra a sua vontade é mantê-lo na mesma opinião."






Paul Brunton

A Realidade Interna

O Peregrino Instrutor galileu ensina:

" (...) Mas por que alertou Jesus a Seus discípulos que esperassem perseguições? Por que, numa outra ocasião, enviou Ele Seus doze apóstolos ao mundo com a forte advertência: "Eis que vos envio como ovelhas em meio de lobos: sede, pois, prudentes como serpentes e inofensivos como pombas"? O peregrino instrutor galileu quis evidentemente dizer que não bastava ser apenas bom, nem apenas inofensivo. Tendes também que ser astuto como a cobra, uma das mais astutas criaturas.

Por quê?

Porque todo este mundo, este vasto universo e o panorama da vida que se estende por sua superfície, é a interação de duas forças cósmicas, a involução e a evolução, a criação e a destruição, chamadas ora o bem ora o mal. Da nebulosa atmosfera do começo cósmico nasce a infindável procissão destes poderes gémeos. Eles estão sempre em atividade e assim estarão até o desaparecimento do universo. 

Deveis perceber como, por esta luta, esta constante interação e inevitável conflito, este desconcertante conflito de forças, a maravilhosa corrente de vida flui através do mais variegado cenário, de sorte a receber as mais ricas experiências. Assim o homem é feito, seu caráter é formado por suas lutas com o elemento adverso da Natureza, e a oposição é por fim transformada em oportunidade. Seus cambaleantes passos acabarão levando-o à meta divina. Destarte a história se converte em algo mais do que um mero fio de acontecimentos isolados, mais do que uma fortuita cadeia de ocorrências, e mais do que um lúgubre catálogo de impérios arruinados.

Agora estamos mais bem preparados para atinar por que Jesus advertiu a Seus apóstolos que esperassem por transtornos. O elemento adverso existe na Natureza tanto para destruir a obra prática das mentalidades divinamente construtivas como para opor-se ao uso da luz pelos seres divinamente guiados. Nenhum autêntico profeta, nenhum verdadeiro apóstolo da Divindade tem a ventura de lançar-se no mundo e percorrê-lo numa sagrada missão de ajuda e serviço espirituais, sem deparar com a hostilidade e antagonismo destas forças tenebrosas. Estas acham instrumentos humanos cegos e inconscientes por meio dos quais podem obstar as atividades altruístas de homens iluminados. Não raro tais inimigos desencaminhados são lançados ao exercício do criticismo, falsidade, calúnia, malícia, ódio, e finalmente, a atos de violências pessoais, como o prova a própria crucificação de Jesus. (...) "


Paul Brunton

A Realidade Interna




Deus em vós!

" O pensamento lança um véu entre vós e Deus. Quando puderdes rasgar esse véu, imergireis em Deus. A todos é possível encontrarem o seu caminho de retorno a Deus, porque Deus está presente em cada ser. Mas devemos começar a buscar e olhar, e o lugar certo é dentro e não fora de nós. 

Deveis primeiro olhar internamente e descobrir o átomo sagrado no coração: o interno eu espiritual. Quando houverdes encontrado vosso interno eu espiritual, podereis então olhar de novo para fora, e descobrireis o Sol; em outras palavras, o Eu Universal. Vereis a Deus em cada coisa e cada corpo; depois vereis a Deus em vós mesmo!

Assim, depois de seguir outros deuses, depois de crer numa multidão de deidades, o homem por fim compreende que existe tão só um espírito por trás de toda a criação; e depois de crer num espírito pessoal, num Deus pessoal, por fim ele compreende a Verdade de que o Altíssimo é Impessoal e Universal. "


Paul Brunton

A Realidade Intena

domingo, 15 de maio de 2016

A Guerra e o Mundo

A Crise Pessoal


A guerra é uma catástrofe de tal ordem que os homens tentam evitá-la. Assim, lutam, discutem,
inventam, imaginam soluções políticas, quase sempre insuficientes visto que a guerra existe no pensamento humano muito antes de se concretizar pelas armas.

O que é necessário, pois, é corrigir o pensamento operante. Quando se despertarem para uma concepção mais metafísica, os homens perceberão que, combatendo as ideias e os sentimentos que dão origem aos conflitos armados, podem cortar o flagelo pela raiz. As conferências políticas podem produzir uma paz verbal, mas deixarão milhares de pessoas odiando-se entre si. Evidentemente, a guerra, como o fogo sob as cinzas, prosseguirá de modo invisível. Precisamos nunca perder de vista que a paz real não pode existir senão depois de haver sido estabelecida no coração dos homens.

Os numerosos erros cometidos na ação, os pecados contra a moral são imputáveis ao erro de pensamento inicial, a primeira falta de compreensão. As verdadeiras raízes dos combates fratricidas jazem na natureza humana, sendo que as raízes sociais, políticas e econômicas são secundárias. O pensamento é criador. Os apetites e os ódios, a inveja e o ciúme tomam, cedo ou tarde, as formas que recentemente tivemos sob nossos olhos. Os que as deploram devem compreender que a melhor maneira de agir contra elas é penetrar em suas causas profundas. O meio mais eficaz de ajudar a humanidade é descobrir e espalhar a verdade que há nelas. As instituições humanas vêm de seu coração e de sua mente. Se seu pensamento é imperfeito, se os sentimentos são baseados no egoísmo, as instituições procederão desta imperfeição e desta corrupção; não podem melhorar senão quando forem a expressão de uma atitude mais nobre ou quando forem a voz dessa misteriosa aspiração na direção do Eu Superior. Se as pessoas mostrassem somente a metade do entusiasmo com que acolhem os reajustamentos políticos ao obedecer a seus impulsos elevados, obteriam um mundo melhor e mais rapidamente, com mais segurança e mais facilidade.   Porque, no fim de contas, cada problema social se torna o problema pessoal.  Pela simples razão de que cada um, como membro da sociedade, se conduz mal, a sociedade age mal em seu conjunto.   Procurando conseguir um mundo novo e melhor sem procurar antes novos e melhores homens, chegaremos por força a uma segunda edição do primeiro mundo que tanto nos atormentava. O que é importante reconhecer é que a maior parte dos homens não quer transformar seu caráter. A vida se encarrega logo dessa tarefa com o triste acompanhamento das trombetas de Marte.

Leia mais:

sábado, 30 de abril de 2016

Retomar o caminho certo

A concentração do pensamento é como cavalgar uma mula teimosa que não se cansa de enveredar para onde bem entende; sempre que o montador percebe que a sua montada está desgarrando, é obrigado a fazê-la endireitar a cabeça e retomar o caminho certo.  

O nosso Eu Superior interno está sempre ao nosso alcance, mas os nossos pensamentos Itinerantes devem transformar-se no seu combustível; há tanto tempo agimos como filhos pródigos que a jornada da volta demandará um apreciável espaço de tempo. 

Por essa razão requer-se paciência nesses esforços. A ninguém é dado tornar-se um bom músico em
apenas três meses, contudo a maioria dentre nós espera conseguir o melhor da vida depois de uns poucos esforços, tornando-se pessimista quando não há uma resposta imediata.


Paul Brunton
A Busca do Eu Superior

Os Profetas

Poucas pessoas compreenderam que a obra de um profeta se realiza essencialmente dentro de um período limitado após o seu próprio aparecimento na terra e não perdura para sempre. 

Pois a sua tarefa fundamental é dupla: plantar alguma coisa no coração dos homens, uma dádiva da sua graça, que será transmitida através dos séculos em ondulações cada vez mais amplas; proferir ou escrever uma mensagem verbal que prudentemente provê às necessidades do momento, às formas de pensamento das pessoas e aos antecedentes históricos da época.    

A força assim difundida atinge o seu zênite e, em seguida, principia a enfraquecer e a refluir.    
Em seu zênite, triunfa o espírito, mas em seu nadir impera a letra.  No primeiro caso temos a verdadeira religião e os homens lhe sentem a inspiração, mas no segundo temos frequentemente  o seu arremedo e os homens lhe sentem o vazio. 

O profeta possui realmente o poder de conferir a graça, ao passo que, volvidos alguns séculos, muitos dos que falam em seu nome quase sempre carecem dele.   Esta é uma das razões por que a religião se evapora durante o longo correr dos séculos, de modo que as pessoas, em sua maior parte, só obtêm dela o seu último resíduo.

Paul Brunton
A Crise Espiritual do Homem



Filosofia

Um homem pode não chegar a compreender por que as coisas devem ser como são; talvez lhe seja preciso deixar o enigma não solucionado; mas isso não interfere, necessariamente, na sua atitude prática.  Desenvolvem-se os seus músculos morais todas as vezes em que ele resiste ao mal e o vence. 

A Filosofia não estimula o malfeitor a persistir em seu curso mal orientado. Pelo contrário, adverte-o de que o sofrimento o espera e de que não conhecerá a paz enquanto não se arrepender. O reconheci-mento da vontade divina por detrás das coisas não conduz, nem se deve permitir que conduza, quem quer que seja a uma atitude irresponsável para com a vida nem a uma conduta letárgica. 

Quando pensamentos destrutivos oprimem os sentimentos de um homem e lhe obcecam a mente a ponto de torná-lo nocivo aos seus semelhantes, corre à sociedade a obrigação de tomar medidas preventivas contra ele. A concepção pessimista que sufoca a iniciativa, aquiesce na imoralidade e induz homens atormentados a se contentarem com o seu fado, pode servir para confirmar-lhes os atormentadores em suas malfeitorias. Dessa maneira, fomentará o crime e aumentará o mal do mundo.

Paul Brunton
A Realidade Interna


O karma rejeita...

Os materialistas pintam um quadro terrível do universo, como se ele fosse uma imensa prisão na qual
nosso destino, nossos pensamentos e atos são totalmente determinados pelo ambiente físico que nos cerca. Entre os orientais, aqueles mais ignorantes vivem aprisionados em um mundo onde se movem indefesos de um lado para o outro — prisioneiros da predestinação divina.
O karma rejeita essas duas sombrias proposições e nos confere uma liberdade suficiente para moldar a nós mesmos e ao nosso ambiente. No decorrer de nosso desenvolvimento influímos negativamente em nosso ambiente ou o enriquecemos, ajudamos ou atrapalhamos a natureza, e o inverso também é verdadeiro.
O karma não diz que devemos ficar parados como pedintes maltrapilhos diante das portas do destino. Nosso livre-arbítrio passado é a origem de nosso destino atual, assim como nosso livre-arbítrio atual será a origem de nosso destino futuro. Por conseguinte, entre os dois, o fator mais poderoso é a nossa vontade. 
Não existe portanto espaço nem para o fatalismo nebuloso, nem para o excesso de confiança. Nenhum de nós pode escapar da responsabilidade pessoal com relação à formação da nossa perspectiva interior e do nosso ambiente externo, colocando a culpa em alguma coisa ou pessoa. Todos aqueles que enfrentam obstáculos deveriam beber uma taça do vinho da inspiração das mãos de Beethoven — o grande compositor. Ele, que buscava ouvir os mais sutis acordes da música, ficou totalmente surdo. Ele, que dedicou toda a sua vida a criar composições melódicas para os outros,
certo dia tornou-se incapaz de ouvir as próprias obras. Esse fato o desapontou mas não o desencorajou. Ele enfrentou o problema com bravura no coração e declarou: "Enfrentarei o destino; ele nunca me abaterá!" Ele prosseguiu seu trabalho, oferecendo ao mundo coisas maiores e mais grandiosas, pois o que aprendeu no sofrimento ele ensinou na música.


Paul Brunton
O Que É O Karma?



segunda-feira, 21 de março de 2016

Necessidade de oração

A oração não deve ser menosprezada por ninguém. Nós diminuímos o poder do Eu Superior quando
não aceitamos essa afirmação. Enquanto formos imperfeitos, sentiremos necessidade de oração. Enquanto algo nos faltar, teremos de orar. Apenas o sábio realizado e não mais dominado por desejos pode deixar de orar, embora ele possa fazê-lo pelos outros com sua maneira misteriosa e pouco convencional.


Também não podemos dizer que é sempre errado orar por coisas físicas: às vezes isso pode ser correto. Mas a prece que é apenas uma súplica dirigida a um Ser sobrenatural para que este remova os tormentos que o próprio indivíduo provocou, não pode trazer outro resultado a não ser o conforto psicológico que a oração oferece. Ela certamente não trará nenhuma alteração à retribuição kármica que o indivíduo está sofrendo. Será apenas um ruído no ar e de nada adiantará reclamar da sorte. 


Porém, a oração seguida do esforço contrito de modificar o defeito de caráter que deu origem às aflições e que é o complemento de uma tentativa real de reparar um erro cometido contra alguém pode não ser inútil. O arrependimento e a reparação são os fatores mais importantes para que uma prece seja atendida. Eles serão uma força capaz de afetar o karma pessoal porque introduzem um karma novo e favorável...


E preciso ter em mente que o Deus a quem oramos habita em nosso coração. Quando nossa prece produz uma sensação posterior de alívio ou de paz, trata-se provavelmente de um sinal de que oramos da maneira correta, mas quando nosso sofrimento ou perplexidade pesa sobre nós com a mesma intensidade que antes, trata-se provavelmente de um indício de que devemos orar mais e mais ou de que oramos de forma incorreta. 


Na medida em que a oração eleva nossos pensamentos acima das nossas fúteis preocupações pessoais, é certo que ela será útil para o nosso progresso. Na medida em que ela for apenas um apelo estritamente materialista ou totalmente hipócrita dirigido a uma divindade antropomórfica para que ela derrame sobre nós determinados benefícios materiais, é certo que ela será inútil tanto para o desenvolvimento espiritual quanto para o progresso material. 


A melhor maneira de contrapor-se ao princípio do karma, quando ele estiver exigindo um doloroso tributo, não é orar, mas sim modificar nossos pensamentos. Quanto mais alterarmos para melhor a tendência geral deles, melhor se tornará nossa vida exterior.


Paul Brunton
(O Que É o Karma?)



quinta-feira, 3 de março de 2016

Como um sábio

"Quase todos nós começamos como pecadores; cabe-nos esperar que terminemos um dia como sábios.


Mas há uma enorme diferença entre o homem que se limita a chafurdar nos seus pecados e o homem que se ergue descontente e insatisfeito depois de cada ocasião de pecar. O primeiro está atolado e sem perspectivas, ao passo que o segundo não apenas se movimenta como também o faz na direção certa. 

Pois a alegria de enobrecer o caráter, aguçar a inteligência e ganhar fortaleza à medida que vivemos é uma das inúmeras vantagens da filosofia. Um simples olhar para as qualidades necessárias a esse estudo purificador mostrará que não se trata de um mero esmalte superficial destinado a pôr em relevo o intelecto do indivíduo e nem mesmo de um ornamento cultural; elas exigem muito do homem mas, no final, dão-lhe ainda mais em troca, pois têm ação preponderante no que respeita tanto a vida material como a eterna. Essas qualidades levam ainda a uma equilibrada compreensão da engrenagem da vida, não para efeito de demonstrações teóricas mas para uma ação efetiva e sensata.  

Já foi demonstrado que a justificação prática da religião é a defesa que ela faz da boa vida; demonstrar-se à mais tarde que a justificação prática da filosofia é à defesa que ela faz da melhor vida. Ainda que o presente estudo mais não faça, os objetivos práticos e psicológicos que nos apresenta lançam um sólido fundamento mental e moral para uma personalidade excepcional, que, mais cedo ou mais tarde, está fadada a distinguir-se numa ou noutra esfera de atividade. Ele será um guia seguro para uma conduta adequada e uma satisfação dos mais puros e exaltados sentimentos. 

Nós temos de sofrer uma profunda transformação com vistas à melhoria da atitude, da perspectiva e dos hábitos. Assim sendo, aquelas horas dedicadas à disciplina filosófica ou ao estudo não são em vão. A divindade que por essa forma adoramos recompensa os seus fiéis devotos. "


Paul Brunton

(A Sabedoria Oculta Além da Ioga)