sábado, 5 de agosto de 2017

O que é o Eu Superior?


Há muita confusão na compreensão sobre o que acontece com o ego ao atingir o objetivo final. 


Alguns acreditam que a consciência cósmica se desenvolve neles com uma inteligência onisciente e um sentimento de estar em toda parte. 

Eles consideram isso como a unidade com o universo inteiro. Outros afirmam que há uma perda total do ego, uma destruição total do eu pessoal.

Não – essas são noções confusas do que realmente ocorre. O Eu Superior não é uma entidade coletiva como se fosse composta por um número de partículas. 

O iluminado se relaciona com os outros seres humanos através da iluminação, não por estar em união com eles, mas apenas com compaixão; não em identificação psíquica com eles, mas em harmonia psíquica. Ele ampliou a área de sua visão e vê a si mesmo como uma parte da humanidade. 

Mas isso não significa que ele tornou-se consciente de toda a humanidade como se fosse ele próprio. A verdadeira unidade é com o seu próprio eu mais elevado e indestrutível. 

É, entretanto, com uma individualidade superior, não com uma cósmica e é, entretanto, com o seu próprio eu e não com o resto da humanidade. A unidade com eles não é nem mística nem praticamente possível. O que nós descobrimos é descoberto por um aprofundamento da consciência, não por um alargamento da mesma. 

Por isso, não é tanto um eu mais amplo, mas um mais profundo que ele tem que encontrar primeiro.

Paul Brunton
O Caminho Breve


terça-feira, 11 de julho de 2017

Mente-do-Mundo

É por meio de processos kármicos que agem mutuamente que esse universo pôde manifestar-se. A Mente-do-Mundo não produz imagens gerais do mundo por um decreto arbitrário, e sim pela continuidade natural dessas imagens como resultado de todas as que existiram anteriormente. 

Elas são a continuação de todas as imagens do mundo de que se tem lembrança que apareceram anteriormente, porém modificadas e desenvolvidas por meio de sua própria mútua interação e evolução, e não pelo de­creto caprichoso de um Deus humanizado. 

A Mente-do-Mundo cria o universo pensando nele de forma construtiva, mas não arbitrária. Os pensamentos surgem espontaneamente regidos por uma estreita lei kármica e evolutiva. Deve-se enfatizar que de acordo com essa perspectiva o universo constitui um sistema autopropulsor, embora seja preciso igualmente compreender que o sistema em si depende da Mente-do-Mundo para a continuidade de sua existência e ininterrupta atividade.

Todas as forças kármicas e formas-pensamento levam avante suas mútuas atividades, entrelaçam-se, interagem e evoluem espontaneamente na presença da luz do Sol. Mas é a essa presença que elas devem seu sustento e sua existência.


Paul Brunton
O Que É O Karma?


segunda-feira, 10 de julho de 2017

Uma única luz...

Uma única luz se reflete em um milhão de fotos, cada uma diferente das demais. Uma única Mente-do-Mundo reflete-se em um milhão de pessoas, cada uma diferente de todas as outras. E assim como os objetos no universo passam a existir pelo poder do karma, o mesmo acontece com as pessoas. 

A nova criatura emerge na existência universal da mesma maneira que uma nova coisa, ou seja, trazendo para o presente toda a antiga bagagem kármica que, por sua vez, é o resultado de uma existência ainda anterior. O indivíduo e o mundo surgem juntos no mesmo momento vindos de um passado que os acompanha. 

Seus karmas estão associados aos da existência universal e não aparecem de forma separada ou subsequente. Ambos entram em atividade sincronicamente. Quando a energia da Mente-do-Mundo se manifesta, ela adquire um caráter duplo e tanto o universo quanto as pessoas nascem ao mesmo tempo. 

O universo não se manifesta antes, nem os indivíduos, mas ambos conjuntamente. Colocando as coisas de outra maneira, quando as ondulações do karma se propagam pela Mente-do-Mundo, elas se deslocam ao mesmo tempo pelo universo e pelo indivíduo e atuam da mesma maneira.

Paul Brunton
O Que É O Karma?

domingo, 9 de julho de 2017

Libertar-se das mágoas!

A quietude da mente só poderá instalar-se se pagarmos um preço por ela, e parte desse preço é nos libertarmos da excessiva dependência das coisas externas.

A mente precisa livrar-se de ansiedades e preocupações em vez de entregar-se a elas em impotente submissão. Isso servirá para invocar as forças protetoras e com elas colaborar.

Toda a mágoa que nutrimos com relação a outras pessoas deve ser banida. Devemos dar amor, seja ele retribuído ou não, e devemos dá-lo igualmente aos fracos e aos fortes. 

Uma rica compensação interior aguarda os que são capazes de perseverar nessa atitude.


Paul Brunton
O Que É O Karma?

sábado, 8 de julho de 2017

Entregue-se ao Eu Superior!

Resolva todos os assuntos da melhor maneira e, então, entregue o resultado ao destino e ao Eu Superior.

De qualquer modo, não há nada mais a fazer. Você pode modificar seu destino, porém certos acontecimentos são inevitáveis, porque o mundo não nos pertence, mas sim a Deus. 

Você não pode saber antecipadamente quais são esses acontecimentos, portanto precisa agir de forma inteligente e intuitiva; mais tarde, você poderá descobrir quais são esses acontecimentos e aceitá-los. 

Não importa o que possa ocorrer, o Eu Superior estará presente e o ajudará a passar pelas dificuldades. Tudo o que acontece no que diz respeito à sua vida material acontece ao seu corpo, não ao seu verdadeiro Eu.

O pior é quando outras pessoas dependem de você. Mesmo assim, você deve aprender a confiá-las aos cuidados amorosos do Eu Superior, em vez de tentar colocar toda a carga sobre seus próprios ombros. Se ele pode cuidar de você, pode cuidar deles também.


Paul Brunton
O Que É O Karma?




domingo, 25 de junho de 2017

Amar o próximo como a si mesmo?

O que Jesus quis dizer quando ele ordenou a seus discípulos para amar o próximo como a si mesmo?
Ele quis dizer em um atitude sentimental, emocional e bem-conhecida que as igrejas ensinam?

Como poderia ele quando, para se tornar o que era, ter uma vez que odiar e se afastar dessa parte de si mesmo, da parte inferior – isto é, do ego e da natureza animal – que é principalmente o que o próximo mostra?

Se seus discípulos fossem ensinados a odiar e a não amar seus egos, como eles poderiam adorar a humanidade dominada pelo ego em meio à qual eles se encontravam?


A injunção “Ama o teu próximo” muitas vezes levou à confusão nas mentes daqueles que a ouviram ou leram, uma confusão que obrigou muitos a lhe recusarem ou a aceitá-la. E estes são os que não entendem o seu significado, mas o interpretam de maneira errada para expressar “Como a teu próximo! ” O significado correto dessa injunção ética antiga é “ Pratique a compaixão em seu comportamento físico e exerça boa vontade em sua atitude mental em relação ao seu próximo. ” Todo mundo pode fazer isso mesmo quando não se consegue como a si mesmo. Portanto, esta liminar não é totalmente impraticável, como alguns acreditam, mas pelo contrário.


Quem imagina que isso significa o desenvolvimento de um sentimento muito sentimentalista, condição altamente emocional, está confuso; as emoções desse tipo podem facilmente oscilar em seus opostos de ódio ou permanecer o que são. Isso não é amor, mas a máscara dele. A sentimentalidade é o mero pretexto da compaixão. Ela se quebra quando é colocada sob tensões, enquanto que a compaixão genuína continuará sempre e nunca será cancelada por elas.


O verdadeiro amor para com o próximo deve vir de um nível superior ao emocional e esse nível é o intuitivo. O que Jesus quis dizer foi, “ Venha para dentro de uma realização tão intuitiva do poder Infinito do qual você e seu próximo desenham suas vidas, que você perceberá a harmonia dos interesses, a interdependência da existência que resulta desse fato.” O que Jesus quis dizer, e o que ele poderia ter significado, foi indicado pelas últimas palavras de sua injunção, “como a ti mesmo.” O eu que eles reconheceram ser o verdadeiro era o eu espiritual, que eles deveriam buscar e amar com todas as suas forças – e foi isso, não o ego frágil, que eles também estavam amando em outros. A qualidade da compaixão pode facilmente ser mal interpretada como simples sentimentalismo ou mera emoção. Não está essas coisas em tudo. Eles podem ser tolos e fracos quando escondem a verdade sobre si mesmos das pessoas, considerando que uma compaixão verdadeiramente espiritual não tem medo de falar a verdade, não tem medo de criticar tão rigorosamente quanto necessário, ter a coragem de apontar falhas, mesmo com o custo de ofender aqueles que preferem viver em autoengano. A compaixão mostrará a deficiência dentro de si, que por sua vez se reflete fora de si como destino maléfico.


Quando o adepto vê aqueles que sofrem com os efeitos de sua própria emoção desgovernada ou com paixão e desejo descontrolados, ele não afunda com as vítimas nas emoções, paixões e desejos, mesmo que ele se sinta auto-identidade com eles. Ele não pode permitir que tais sentimentos entrem em sua consciência. Se ele não encolher de seu próprio sofrimento, é pouco provável que o adepto irá encolher a partir dos sofrimentos dos outros. Consequentemente, não é provável que a simpatia emocional que surge no coração do homem comum à vista do sofrimento surja exatamente da mesma maneira no coração do adepto. Ele realmente não se considera além disso. De um modo curioso, tanto eles como ele são parte de uma única e mesma vida. Se ele não se compadece por seus próprios sofrimentos do modo egoísta e emocionalmente habitual, como ele pode ter pena dos sofrimentos dos outros do mesmo jeito? Isso não significa que ele se tornará frio e indiferente com eles. Pelo contrário, o sentimento de identificação com o seu ser íntimo só iria evitar isso; mas isso significa que a piedade que surge dentro dele tem uma forma diferente, uma forma muito mais nobre e verdadeira porque a agitação emocional e a reação egoísta estão ausentes. Ele sente para com os sofrimentos dos outros, mas nunca se deixa perder neles; assim como ele nunca está perdido com medo ou ansiedade por seus próprios sofrimentos, para que não se perca nas emoções ou nos sofrimentos dos outros. A calma com que ele se aproxima de seus próprios sofrimentos não pode ser abandonada porque ele esteja se aproximando dos sofrimentos de outras pessoas. Ele comprou essa calma a um preço alto - é muito preciosa para ser jogada fora por qualquer coisa. E porque a pena que ele sente em seu coração não é misturada com emocionalismo ou medo pessoal, sua mente não é obscurecida por essas excrescências, e é capaz de ver o que precisa ser feito para aliviar os sofredores muito melhor do que uma mente obscurecida poderia ver. Ele não faz uma demonstração de sua piedade, mas sua ajuda é muito mais eficaz do que a ajuda daqueles que o fazem.


O ideal altruísta é configurado para os aspirantes como um meio prático de usar a vontade e reduzir o egoísmo e esmagar sua mesquinharia. Mas essas coisas devem ser feitas para treinar o aspirante a entregar seu eu pessoal ao seu eu superior, não em fazê-lo subserviente a outras vontades humanas. A primazia de propósito deve ser dada à autorealização espiritual, não ao serviço social. Isto acima de todos os outros objetivos é o que deve ser mantido mais perto de seu coração, e não de se intrometer nos assuntos dos outros. Só depois que se participa de forma adequada – e até certo ponto com sucesso – dos problemas em si mesmo, se pode ter o direito de procurar ou interferir nos problemas de outras pessoas.


Isso não significa, no entanto, que ele se torne estreitamente auto-centrado ou inteiramente egoísta. Pelo contrário, o desejo de conferir felicidade e a vontade de buscar o bem-estar da humanidade deve ser objeto de solene dedicação em todas as etapas cruciais, todas as horas inspiradas, de sua busca. Mas a prudência e a sabedoria o levaram a esperar por um esforço altruísta mais ativo até que se tenha levantado para um nível mais alto, onde encontrou sua própria força interior, conhecimento e paz, e aprendeu a ficar inabalável pelas tempestades, paixões, desejos e ganância da vida comum.


Por isso, é melhor para o iniciante manter consigo mesmo qualquer pretensão de altruísmo, permanecendo silencioso e inativo sobre eles. A dedicação pode ser feita, mas deve ser feita no segredo do coração mais íntimo. Melhor do que falar sobre isso ou ter atividade prematuras sobre isto, é a atenção na obra de purificação, de seus sentimentos, motivos, mente e ações.


Assim como a palavra compaixão é muitas vezes confundida com um sentimento tolo e fraco, então as palavras “sem egoísmo”, “altruísmo” e “autoconfiança” são igualmente confundidas com o que não são. Muitas vezes se pensa que a não separação dos outros indivíduos é a entrega de nossos direitos pessoais a outros indivíduos, ou a anulação do dever a nós mesmos por causa do serviço a outras pessoas. Isso muitas vezes é errado.


O significado filosófico do egoísmo é essa atitude de separação não de outro indivíduo no mesmo nível imperfeito como nós mesmos, mas a partir de um poder de vida universal que está por trás de todos os indivíduos em um nível mais profundo do que todos eles. Estamos separados dessa mente infinita, quando permitimos que o ego pessoal nos governe, quando permitimos que o eu pessoal impeça o único ser universal de entrar em nosso campo de conscientização. O pecado está em separar-nos da consciência desse poder mais profundo e de um ser mais profundo que está na própria raiz de todos os eus.


Paul Brunton
Notebook 5 Emotions & Ethics - The Intellect 


sábado, 24 de junho de 2017

" Aquele que quiser me seguir, que negue a si próprio "

O lugar onde você se encontra, as pessoas que o cercam, os problemas que enfrenta, os acontecimentos do momento — tudo tem um significado especial para você. Ocorrem segundo a lei da recompensa e segundo as necessidades específicas de seu crescimento espiritual. Estude-os cuidadosamente, mas de maneira impessoal, sem deixar que o ego interfira, e aja de acordo com isso. 

Será difícil e talvez mesmo desagradável, porém constitui a maneira correta de resolver todos os seus problemas. Foi isso que Jesus quis dizer quando afirmou: "Aquele que quiser me seguir, que negue a si próprio, pegue a sua cruz de cada dia e siga-me". Essa é, no verdadeiro Cristianismo, a crucificação do ego e que conduz diretamente à ressurreição na realidade do Eu Superior. Considere sua pior e mais irritante dificuldade como a voz de seu Eu Superior. Tente ouvir o que Ele diz. 

Tente remover os obstáculos que Ele aponta em você. Considere essa prova, essa situação específica como algo da maior importância para o seu crescimento espiritual. Quanto mais esmagadora ela for, mais esforço estará sendo feito para aproximá-lo do Eu Superior. Em qualquer momento de sua vida, por meio de um acontecimento, situação ou contato com outra pessoa, a Inteligência Infinita lhe oferece os meios de crescimento, bastando você sair de sua rotina egoísta e aceitá-los.

Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise


A natureza humana é frágil; a sua não é uma exceção. Contudo, se você estiver abalado por suas falhas, se a angústia resultante for redobrada pelo fato de seu erro ser irreparável, será que não há nada mais a fazer a não ser entregar-se a um profundo desespero? 

A resposta verdadeira é mais auspiciosa do que essa: "Se tiver paciência, enquanto cultiva a humildade e silencia o orgulho do ego, poderá ver-se livre de antigas fraquezas e superar erros passados". Esse seria o primeiro estágio de sua nova atitude; no estágio seguinte, você poderia, pelo menos, repassar os acontecimentos do passado e alterá-los em pensamento. 

Teria, então, a possibilidade de mentalmente corrigir as decisões erradas e modificar as ações impulsivas ou precipitadas. Colheria, assim, os frutos de lições aprendidas com muito sofrimento.


Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Para o Eu Superior e seu divino poder!


Para passar de um negro desespero a uma paz curadora é preciso começar a aprender a "desprender-se". Isso pode se referir a deformadas imagens do passado, a difíceis condições do presente ou a desagradáveis antecipações do futuro. Para onde, então, pode aquele que sofre se voltar? Para o Eu Superior e seu divino poder.



O mesmo poder que o trouxe até aqui, certamente o conduzirá na próxima fase de sua vida. Você deveria confiar nisso e colocar de lado qualquer ansiedade, como um passageiro que viaja num trem e, em vez de carregar sua bagagem, coloca-a no chão do trem, deixando que ele a leve. A bagagem representa os esforços pessoais de planejar, organizar e moldar o futuro dominado pelo desejo e apego. Isso é como insistir em carregar a própria bagagem. O trem representa o Eu Superior ao qual você deveria entregar seu futuro. Viva na Paz Interior, livre de expectativas, desejos, ansiedades e preocupações.


Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise
Sejam quais forem as nuvens mentais e emocionais que o dia possa trazer-lhe, não as detenha; deixe-as passar. Isso pode parecer uma façanha sobre-humana, mas torna-se possível quando você as transfere para o poder superior.


Seus problemas podem por vezes deixá-lo com uma sensação de frustração e derrota. Isso é natural. Significa apenas que uma situação difícil está sendo imposta a você pelo destino. Você deveria avaliar isso filosoficamente como uma indicação geral da impossibilidade de satisfação da vida na Terra, no sentido budista. Nesse caminho você se defronta com todo tipo de vicissitudes e altos e baixos, em parte para lhe mostrar claramente que a realidade interna é o único valor imutável e assim obrigá-lo a se empenhar na Busca, e em parte para revelar suas qualidades latentes. Mas as provas não irão além do que você pode suportar.



Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise


quinta-feira, 22 de junho de 2017

Aberturas para a Graça Divina

Quando deixar de acreditar em suas próprias virtudes e mesmo em sua própria capacidade, a ponto de
se desesperar, você estará pronto para orar da forma correta e a aprender a depender totalmente da Graça do Eu Superior.

Quando tiver reconhecido que o mal em você e nas outras pessoas é tão arraigado e tão forte que não há nada que possa fazer, você terá que se voltar para esse Poder. 

Quando deixar de acreditar em sua própria natureza humana e não mais se ativer a projetos pessoais, então você terá realmente abandonado o ego. Isso lhe trará a possibilidade de se abrir para a Graça.


Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise

quarta-feira, 21 de junho de 2017



E preciso muita coragem para enfrentar a vida, todavia não devemos nos esquecer da necessidade de ter muita humildade diante do Criador.



Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Afirmações por Paul Brunton

" Em meu eu real, sou forte, feliz e sereno. "

" Infinito Poder, sustenta-me! Infinita Sabedoria, ilumina-me! Infinito Amor, enobrece-me! "

" Possa eu cada vez mais cooperar com o Eu Superior Possa eu de forma inteligente e com obediência fazer sua vontade. "

" Coopero alegremente com o propósito superior da minha vida. "

" Em meu eu real, a vida é eterna, a sabedoria é infinita, a beleza é imperecível e o poder é inesgotável. Apenas a minha forma é humana, pois a minha essência é divina. " 

" Em qualquer situação, permaneço calmo e peço ao Intuitivo que me guie. "

" Olho para além das dificuldades do momento, para a eterna paz do Eu Superior. "

" A Paz de Deus."

" Vivo na serenidade do Eu Superior. "


Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise

domingo, 18 de junho de 2017

Quando o sofrimento provoca abatimento, ele está apenas cumprindo o seu papel. É uma parte do lugar que ele ocupa no esquema das coisas, levando o indivíduo à consciência de que sob os doces prazeres do mundo há sempre dor. 

Porém, se essa reflexão parasse por aí, estaria apresentando apenas meia verdade. A outra metade, bem mais difícil de perceber, é que sob os aparentes sofrimentos, dos quais ninguém escapa, existe uma enorme harmonia, m imenso amor, uma paz inimaginável e uma força cósmica.


Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise

sábado, 17 de junho de 2017



Há uma perfeita relação entre a impressão que causamos nos outros e o domínio que adquirimos sobre nós mesmos. A intensidade dessa impressão depende do grau desse domínio. Além disso, nosso poder sobre o mundo exterior será proporcional ao poder que adquirimos sobre nossa própria natureza.


Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Ambas são necessárias

Para conseguir essa força e obter essa sabedoria, você deve, paradoxalmente, seguir dois caminhos opostos. Primeiro, deve, todos os dias, afastar-se completamente de suas atividades e observá-las de forma analítica e impessoal. Depois, deve mergulhar nessas atividades e utilizá-las como trampolim para alcançar níveis mais elevados. Por isso se diz que nem a meditação, nem a ação são suficientes. Ambas são necessárias a você e uma não dispensa a outra. A meditação inspira e aspira. A ação expressa e testa.




Aquele que possui o poder, mesmo que reduzido, de ajudar os outros não pode imaginar onde essa ajuda irá parar. Se ela trouxer algum benefício para alguém que você conhece, essa pessoa poderá, por sua vez, ajudar outra e assim por diante, em ondas que se propagam continuamente.


Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise

quinta-feira, 15 de junho de 2017

A ilusão da separatividade

O mal surge apenas quando um ser perde-se na ilusão da separatividade e do materialismo e entra, então, em conflito com outros. 

Não há um princípio definitivo e eterno do mal, mas existem forças do mal, entidades invisíveis que se extraviaram e que são tão poderosas em si mesmas que trabalham contra a bondade, a verdade e a justiça. Porém, por sua própria natureza, tais entidades estão fadadas à destruição; e mesmo seu trabalho de oposição, no final, é utilizado para o bem, tornando-se a força de resistência contra a qual a evolução testa suas próprias obras, a pedra na qual ela afia nossa inteligência, o espelho no qual ela aponta nossas falhas.


Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Seja tolerante!

Ser tolerante para com os que têm crenças e opiniões diferentes — o suficiente para entender quais são e o porquê delas — exige a capacidade de desapegar-se temporariamente das próprias crenças. 

Naturalmente, isso não deve, de maneira nenhuma, ser feito rejeitando-as, mas apenas deixando-as onde estão, enquanto você se põe no lugar do outro a fim de entender seu ponto de vista. 

Tal capacidade não pode ser adquirida sem suficiente humildade e ausência de egoísmo, tornando assim possível que se acolha, mesmo que por um único segundo, um ponto de vista que nos desagrada.

Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise

terça-feira, 13 de junho de 2017

Porque o sofrimento...

Calmamente reconheça que o sofrimento tem sua parte na tarefa de manifestar o plano divino, que as pessoas têm lições a aprender por meio dele que de outra forma não aprenderiam, e que esse sofrimento deveria, em tais casos, ser recebido com compreensão em vez de sentimentalismo neurótico. 

Encare o fato de que muitas pessoas não aprenderão por meio da razão, intuição ou ensinamento e que ninguém pode libertá-las de seus sofrimentos a não ser elas mesmas. Qualquer outro tipo de libertação é falso. Muitos podem conseguir isso hoje e ver a mesma condição retornar amanhã. 

Em certas situações que exigem decisões firmes, você não deveria, por exemplo, demonstrar injustificável fraqueza acreditando estar sendo tolerante, nem submeter-se ao egoísmo anti-social supondo estar sendo amoroso, nem abandonar suas maiores responsabilidades sob pretexto de manter uma paz falsa e superficial com a ignorância que o cerca, nem passivamente aceitar um erro flagrante com a justificativa de que a vontade de Deus deve sempre ser aceita.

Paul Brunton
Meditações Para Pessoas Em Crise